Tag: luz

Espectroscópio particular de Raman

senhor usando espectroscopio de raman
Professor Sir Martyn Poliakoff, da Universidade de Nottingham, mostra o espectroscópio particular do famoso cientista indiano Chandrasekhara Venkata Raman.
Raman – melhor chamar de Raman, porque poucos conseguem lembrar ou pronunciar Chandrasekhara Venkata – é conhecido por uma técnica de análise muito utilizada na química; a espectroscopia Raman.

O espectroscópio é uma versão de bolso que Raman usava para observar casualmente materiais que encontrava no seu cotidiano.

A espectroscopia de Raman é um método de análise de materiais que permite obter informações químicas sem necessitar efetuar uma destruição da amostra.

Vídeo com legendas em português. Use o botão CC que aparecerá no vídeo para selecionar a opção de legenda em português.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Uma mão que brilha!

mão com luva e líquido que brilha no escuro
O líquido extraído de pulseiras luminosas de várias cores foram utilizadas para criar este efeito.
O brilho mais intenso foi obtido pela iluminação por luz negra (ultravioleta (UV)).
A mão foi protegida com uma luva para evitar queimaduras na pele, que podem ocorrer devido à possível presença de certa quantidade de água oxigenada (peróxido de hidrogênio) na composição deste tipo de pulseira luminosa.
Por ser um produto adquirido avulso, não é possível saber exatamente a composição química do material.

Para saber mais sobre a química, e alguns experimentos, veja:
Quimiluminescência orgânica: alguns experimentos de demonstração para a sala de aula

Imagem em licença Creative Commons (by-nc-sa).
by nc sa

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( [email protected] ) – Universidade Federal do Pampa – Bagé.

Filtro solar

química do protetor solar
Estamos em junho, em pleno inverno, qual é a razão de falar sobre um filtro solar? Se você mora no norte do Brasil ou está viajando para uma região na qual atualmente é verão, precisará de um filtro solar. Além disso, em certos casos é indicado utilizar um filtro solar mesmo durante o inverno. Um dermatologista pode te ajudar a decidir sobre a necessidade e frequência de uso.

Durante a viagem para a Austrália o Professor Martyn aproveitou um pouco da famosa praia de Bondi, e explicou um pouco sobre o funcionamento de um filtro solar.

A proteção para filtrar parte da luz ultravioleta (UV) ocorre pelas características químicas e físicas do produto. Na proteção física os produtos costumam ter em sua composição óxido de zinco e/ou óxido de titânio que refletem a luz UV, impedindo que danifique a pele.

Veja mais informações no vídeo.

Vídeo possui legenda em português. Para ativar a visualização clique no play e após clique no botão CC que aparecerá no vídeo.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( [email protected] ) – Universidade Federal do Pampa – Bagé.

Diamante amarelo

Mrtyn Poliakoff em seu escritório
Recentemente os sites de notícias divulgaram sobre o leilão de um diamante amarelo, arrematado por aproximadamente 10,9 milhões de dólares.

Como um diamante pode ser amarelo? Normalmente estamos acostumados com diamantes sem cor. O que pode causar tal efeito? E qual é a raridade da gema?

Martyn Poliakoff, químico da Universidade de Nottingham, explica que a coloração dos diamantes pode variar dependendo do tipo de contaminante presente na estrutura da gema, que normalmente é composta apenas de átomos de carbono.

No caso do diamante amarelo houve uma inclusão de pequeníssimas quantidades de nitrogênio na estrutura química do diamante, permitindo que um diferente tom de cor fosse percebido.

Vídeo possui legenda em português. Para ativar a visualização clique no play e após clique no botão CC que aparecerá no vídeo.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( [email protected] ) – Universidade Federal do Pampa – Bagé.

Aquele brilho

radiação e brilho azul
Popular em filmes, o brilho característico um reator nuclear, ou em materiais radioativos, possui uma explicação.
Parte deste belo e hipnótico brilho pode ser explicado pelo Efeito Tcherenkov, que manifesta-se quando uma partícula carregada eletricamente passa por um meio isolante em uma velocidade superior à da luz para este meio, emitindo uma radiação eletromagnética que pode estar na faixa do visível.
É bom lembrar, que a velocidade da luz no vácuo é a máxima, e que em meios diferentes do vácuo a velocidade da luz pode ser menor. Desta forma existe a possibilidade de que uma partícula carregada eletricamente possa deslocar-se em uma velocidade superior à da luz para aquele meio.
Mais informações na Wikipedia, https://pt.wikipedia.org/wiki/Efeito_Tcherenkov.

A imagem acima foi registrada no Argonne National Laboratory, centro de pesquisas científicas do Departamento de Energia dos EUA, como parte de investigações no aperfeiçoamento de processos em reaproveitamento do material utilizado em um reator nuclear.

Em um reator nuclear o urânio perde eficiência ao longo do tempo em que é utilizado na usina, e precisa ser reposto por material novo, resultando em um indesejado resíduo radioativo. E é neste ponto de aprimoramento da recuperação e reutilização destes resíduos que trabalha a equipe de pesquisadores do Argonne National Laboratory

O canal do Argonne no YouTube deixa disponível um vídeo (em inglês) sobre as pesquisas que realizam nesta área.

Aos 3m35s do vídeo acima, eles comentam que o processo de manipulação do material radioativo é feito com proteção de um vidro que contém chumbo, que também é descrito em um vídeo sobre o chumbo (realizado pelo Periodic Videos).

Imagem sob licença Creative Commons, via Argonne National Laboratory(Flickr).

Fita luminosa

fita luz
A fabricante da fita luminosa (Light Tape – Electro-LuminX) afirma que o produto não contém vidro, é flexível, não contém mercúrio, gera pouco calor, tem o custo operacional de 1/6 de outros produtos similares com LED, consome 0,5W para cada 30cm de comprimento e tem um custo de 20X menos do que lâmpadas fluorescentes convencionais.

Se pelo menos uma parte de todas essas promessas for verdadeira, acho que o produto tem uma grande chance de se tornar popular em um vasto tipo de aplicações. E ainda, com a possibilidade de aprimoramento tecnológico, estaremos em contato com este tipo de produto em um curto espaço de tempo.

A fita luminosa emite a luz com base em um processo de eletroluminescência, no qual fósforo é estimulado eletricamente com corrente alternada para produzir luz. Neste caso, o fósforo está localizado entre duas placas condutoras, sendo uma delas transparente para a luz produzida.

Uma unidade geradora de energia consegue iluminar até 100 metros de fita, e diferentes tensões e frequências aplicadas resultam em diferenças no brilho e cor da luz produzida.

Veja alguns vídeos de demonstração do produto.

Algumas aplicações:

Site da empresa

Home


http://www.lighttape.com/

Via (New Atlas) Gizmag

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( [email protected] ) – Universidade Federal do Pampa – Bagé.