Os limites das baterias de íon lítio

experimentos do avanço das baterias
Vários dos equipamentos que vemos atualmente só foram possíveis, com toda sua conveniência e portabilidade, com o avanço da capacidade e tecnologia das baterias.

Podemos dizer que as baterias de íon lítio são as campeãs em versatilidade para uso doméstico.

Mas… até onde será possível aprimorar a capacidade e a tecnologia deste tipo de baterias? Qual é o limite teórico? Qual é o limite técnico para o íon lítio?

No vídeo abaixo, do canal minutephysics, comenta sobre o seguinte aspecto: qual é o limite de densidade de energia possível no íon lítio?

Seria possível termos baterias do tipo ‘lítio-enxofre’ ou ‘lítio-oxigênio’?

Vídeo COM legenda em português.

Legenda e texto escritos por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ) – Universidade Federal do Pampa – Licenciatura em Química.

Como fazer uma pilha AA?

como fazer uma bateria caseira
O NurdRage ensina como fazer uma pilha AA (alcalina); e logo no início do vídeo já avisa que é muito mais barato comprar uma pilha pronta. A demonstração tem como objetivo explorar a ciência do procedimento.

Material necessário:
– seringa de plástico de 5mL (para o envoltório da pilha)
– zinco metálico (em folha)
– 50mL de água
– 30g de hidróxido de potássio
– 8g de dióxido de manganês
– 3g de carbono em pó
– papel filtro
– 7cm de grafite grosso

A pilha resultante deveria chegar em 1,5V de tensão, mas o NurdRage obteve em torno de 1,41V – o que não é um resultado tão ruim se considerarmos a técnica artesanal utilizada.

Vídeo com legenda em português.

Legenda e texto escritos por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna – Universidade Federal do Pampa.

Outros textos:
Pilhas e cervejas no Mythbusters
Reação de dióxido de manganês com peróxido de hidrogênio

Estruturas cristalinas e leis da termodinâmica

cristalização e termodinâmica

No vídeo abaixo, do canal ‘The Royal Institution’, você poderá ver um pouco mais sobre a curiosa relação entre os cristais e a termodinâmica.

A cristalização parece ir contra a consideração de aumento de entropia (desordem); mas na verdade o processo de cristalização normalmente libera calor, gerando um aumento global na entropia (desordem).

Vídeo com legenda em português.

Texto e legenda escritos por Prof. Dr. Luís Brudna ( luisbrudna@gmail.com ).

Coleção de minerais de Raman

Museu Raman
Martyn Poliakoff faz um passeio pela coleção particular de minerais do físico indiano Chandrasekhara Venkata Raman.

Raman recebeu o prêmio Nobel de física em 1930 por seus trabalhos em dispersão da luz. Este conhecimento é utilizado na técnica batizada ‘Espectroscopia Raman’.

No vídeo você poderá ver pérolas, quartzo com líquido, opalas, diamantes, carborundum, rochas de Hiroshima e minerais fluorescentes em luz UV.

Vídeo com legenda em português.

Texto e legenda escritos pro Prof. Dr. Luís Brudna ( luisbrudna@gmail.com ). Universidade Federal do Pampa – Bagé.

Termita com óxido de cromo

reação química de óxido de cromo com alumínio
A clássica reação termita é feita com pó de alumínio e óxido de ferro.

No vídeo abaixo o canal NurdRage mostra a possibilidade de se fazer uma reação termita usando óxido de cromo.

A proporção escolhida pelo NurdRage foi de 14:5. Ou seja, 14 partes de óxido de cromo para 5 partes de alumínio em pó.

Vídeo tem legenda em português. Ative pelo YouTube.

Um esquema da reação.
Cr2O3 + 2 Al –> 2 Cr + Al2O3

A conclusão foi que este tipo de reação não produz tanto calor quanto a termita tradicional.

Atenção! A termita é uma reação que produz uma enorme quantidade de calor. Este tipo de reação só deve ser feita com uso de equipamento de proteção, por pessoas com conhecimento técnico adequado e em local seguro. Além disso este tipo de procedimento pode ser considerado suspeito e com potencial criminoso.

Legenda e texto escritor por Prof. Dr. Luís Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com).

Ovo em uma câmara de vácuo

ovo em uma câmara com vácuo
Da série: O que aconteceria se…?

Cody Don Reeder tenta responder a pergunta: O que acontece quando um ovo é submetido ao vácuo?

Os testes foram feitos com casca, só com a membrana e sem a casca.

Um fato importante que deve ser lembrado é que a temperatura na qual a água entra em ebulição diminui bastante quando a pressão é diminuída. A ebulição rouba energia do meio, o que causa o resfriamento.

Vídeo com legenda em português. Veja como ativar a exibição.

Texto e legenda escritos por Prof. Dr. Luís Brudna ( luisbrudna@gmail.com ) da Universidade Federal do Pampa – curso de Licenciatura em Química.