Um assassino de uma cura

boton
Um bóton (ca. 1900) anunciando o Liquozone, anteriormente Powley’s Liquified [sic] Ozone. Liquozone foi lançado como uma defesa contra doenças relacionadas a germes, mas o produto era uma fraude de uma fraude. Como o jornalista Samuel Hopkins Adams observou em sua série ‘The Great American Fraud’ (1905), de Collier, “o oxigênio líquido não existe acima de uma temperatura de 229 graus abaixo de zero. Uma colher congelaria a língua, os dentes e a garganta de um homem antes que ele tivesse tempo de engolir.”

Por mais de um século, a terapia de ozônio tem sido uma fonte de falsas esperanças e ganhos ilícitos dos desonestos.

Em 1903, Nikola Tesla estava ficando desesperado. O prodigioso inventor havia atraído o multimilionário JP Morgan para investir em energia elétrica sem fio, mas até agora as tentativas de Tesla de criar a tecnologia se mostraram infrutíferas.

Quando Morgan se recusou a continuar apoiando o projeto, Tesla implorou ao banqueiro que reconsiderasse:

Eu nunca tentei, Sr. Morgan, dizer-lhe nem um centésimo do que pode ser prontamente realizado pelo uso de certos princípios que descobri. Se você imaginar que encontrei a pedra dos filósofos, não estará longe da verdade.

A resposta de Morgan foi simples: não.

Tesla, com sua credibilidade manchada por sua iniciativa hesitante, precisava restaurar sua reputação e gerar dinheiro. Ele admitiu isso para Morgan: “É absolutamente imperativo para mim lançar algo comercial sem demora”. Então Tesla se voltou para outra de suas invenções. Em 1896, ele havia patenteado o primeiro gerador portátil de ozônio nos Estados Unidos. Após a rejeição de Morgan, o cientista sem dinheiro registrou a Tesla Ozone Company, lançando seus dispositivos como uma maneira de limpar o ar em interiores.

No final do século XIX, moradores da cidade cada vez mais se preocupavam com a “fumaça do mal”, que era produzida pela queima de vastas quantidades de carvão e que se acredita causar doenças. Durante esse tempo, a poluição – uma palavra previamente reservada por Noah Webster para atos carnais “impuros”, tal como emissões noturnas – passou a significar a sujeira humana do ar e da água. Os urbanos pouco podiam fazer sobre o ar sujo fora de suas casas, mas talvez pudessem respirar mais facilmente dentro de casa.

Na verdade, as máquinas de Tesla encheram os quartos de veneno: o ozônio na atmosfera superior fornece um importante escudo contra a luz ultravioleta do sol, mas produza na sua sala e ele prejudicará você.

Hoje, o FDA [Food and Drug Administration; Administração de Alimentos e Medicamentos, em protuguês] declara que o ozônio é um gás tóxico sem fins terapêuticos conhecidos; geradores de ozônio foram aprovados apenas para esterilizar água e equipamentos. Mesmo assim, mercadores inescrupulosos vendem ozônio como uma cura para o câncer e a AIDS. Uma pesquisa na Internet sobre a “terapia do ozônio” mostra que o uso do ozônio está vivo e bem – em purificadores de ar, em pomadas tópicas e em gás soprado no reto.

Como o ozônio, conhecido por ser tóxico, desenvolveu em algum momento uma reputação de ser saudável?


Antes que os humanos descobrissem o ozônio, eles o sentiram. O cientista germano-suíço Christian Friedrich Schönbein notou um odor distinto depois de passar uma corrente elétrica através da água. Em 1840, ele sugeriu que a eletricidade estava criando uma nova substância, que ele apelidou de ozônio – de ozein , em grego, de “cheirar”. (Schönbein estava certo: quando carregado com eletricidade, o oxigênio forma uma molécula instável de três átomos de oxigênio. Essa molécula, o ozônio, também é produzida quando um raio atinge o ar, criando o mesmo cheiro detectado pelo Schönbein no laboratório.)

Desde o início, o ozônio seduziu a imaginação de profissionais e empresários da área médica. Por um lado, cheira a “limpeza”. Quando as gotículas de água se quebram no ar – como durante uma tempestade com raios – o ozônio é criado junto com um cheiro “fresco” associado à chuva.

O cheiro do ozônio despertou interesse em suas propriedades purificadoras, mesmo quando experimentos revelaram seus efeitos nocivos. Em 1874, o químico James Dewar e um colega relataram que, após a exposição ao ar ozonizado, as rãs se tornavam letárgicas, as aves ofegavam, e o sangue dos coelhos perdia oxigênio. Um entrevistado na Nature , apesar de reconhecer que os experimentos de Dewar revelaram um risco de superexposição, continuou a endossar o uso do ozônio nos hospitais, baseado na crença tradicional de que o raio – e, portanto, o ozônio – purificaria o ar. Além disso, alguns entusiastas do ozônio acreditavam (e ainda acreditam) que a molécula pode fornecer melhor ao corpo o oxigênio necessário porque é composto por três átomos de oxigênio, em vez dos dois habituais.

No entanto, até mesmo o descobridor do ozônio reconheceu seus efeitos nocivos. Schönbein relatou que a inalação de ozônio pode causar dores no peito e dificuldade para respirar. Ratos submetidos a uma atmosfera de ozônio morreram.

terapia falsa com ozônio
A ozonoterapia, como foi descrito pelo pioneiro radiologista armênio-americano Mihran Krikor Kassabian, em Röntgen Rays and Electro-therapeutics (1907). Kassabian escreve que a terapia é de “valor primordial, onde sprays ou vapores medicados não podem alcançar a parte por outros meios”. (Fonte: Instituto de História da Ciência)

No entanto, a aura saudável do ozônio persistiu. Em 1911, um ano após a fundação da Tesla Ozone Company, um artigo no Proceedings of the Royal Society of London B maravilhou-se de que os efeitos saudáveis ​​do ozônio “tenham, por mera interação, se tornado parte integrante da crença comum; e, no entanto, a evidência fisiológica exata em favor de seus bons efeitos tem sido quase totalmente insuficientes.” Os autores descobriram que as únicas consequências claras do ozônio são os danos pulmonares e a morte. No entanto, eles ainda aceitavam no potencial positivo do ozônio, especulando que os efeitos benéficos da molécula funcionavam através do olfato.

Havia um sopro de verdade nas conjeturas que rodeavam o ozônio; sua estrutura de três átomos de oxigênio é instável e, à medida que se decompõe, remove os elétrons das paredes celulares e destrói o DNA da célula. Essa propriedade destrutiva torna o ozônio útil para desinfetar a água e, em alguns casos, ferramentas dentárias e médicas. Mas o caos que o ozônio causa às células bacterianas também se aplica ao tecido humano, tornando-o perigoso para a pele em quantidades suficientes para, digamos, limpar as feridas.

Durante a Primeira Guerra Mundial, enfermeiros e médicos usaram o ozônio exatamente para esse fim. A comunidade médica parecia disposta a tentar uma série de métodos de desinfecção para tratar o crescente número de soldados feridos que enchiam hospitais. Médicos do Hospital Militar da Rainha Alexandra, em Londres, usaram o ozônio para tratar feridas e abcessos, aplicando o gás diretamente a ferimentos por até 15 minutos ou até que a carne estivesse “brilhante”.

O Departamento Médico do Exército dos EUA incluiu o ozônio como um “método principal” para desinfetar feridas de guerra em sua história cirúrgica da Primeira Guerra Mundial, e pelo menos um manual de enfermagem da época referia-se a um método alemão de limpeza com ozônio da carne ferida. Mas uma revisão das técnicas cirúrgicas que o Exército dos EUA produziu depois da guerra enfatizou outras técnicas de saneantes, como anti-sépticos com hipoclorito de sódio.

De fato, a irrigação de feridas com anti-sépticos, que se tornaram populares após a Primeira Guerra Mundial, pode ter diminuído a popularidade do ozônio. Os manuais médicos começaram a abordar a terapia do ozônio com ceticismo. Um manual de enfermagem de 1919 refere-se a “falácias populares” sobre o ozônio, sugerindo que seus efeitos benéficos eram menos certos do que seus efeitos venenosos. Na década de 1950, o FDA começou a apreender geradores de ozônio.


Mas os geradores de ozônio nunca desapareceram completamente. E a promessa do ozônio evoluiu para corresponder às reivindicações dos charlatães modernos. Com a infinidade de outros desinfetantes baratos e eficazes no mercado, os vendedores de ozônio estão menos inclinados a enfatizar as qualidades higienizantes de seus produtos. Cura da infertilidade, HIV-AIDS e câncer é o novo campo. Essa metamorfose é tanto resultado do desespero humano quanto do conhecimento de marketing.

Sites que vendem produtos de ozônio quase invariavelmente usam a história para enfatizar sua credibilidade, destacando o envolvimento de Tesla e o uso medicinal do ozônio durante a Primeira Guerra Mundial. Esses sites frequentemente imitam citações acadêmicas incluindo outros links de sites pró-ozônio, criando emaranhados de citações cibernéticas que levam a lugar nenhum.

Os fornecedores equilibram essas tentativas de credibilidade científica com generosas doses de imprecisão. Por exemplo, um site promete “influenciar as membranas celulares e equilibrar os níveis de produtos de peroxidação lipídica”. Essa sequência de palavras pode soar bastante científica, mas é apenas outra maneira de descrever a capacidade do ozônio de infiltrar-se indiscriminadamente nas membranas celulares e matar células – um efeito dificilmente desejável.

O jargão complicado é combinado com a simplicidade sedutora do ozônio – um composto químico do leque do ensino médio. É uma combinação difícil de resistir, já que os compradores são mais atraídos pelo que eles acham que entendem.


Em 2010, a FDA confiscou 77 geradores de ozônio na Califórnia que seriam vendidos como dispositivos médicos por um total aproximado de US$ 80.000. Embora a FDA não colete dados sobre quem compra os dispositivos, evidências sugerem que alguns médicos da medicina alternativa compram geradores de ozônio para suas clínicas, cobrando centenas ou milhares de dólares dos pacientes pela promessa de cura. Nos casos que atraíram a atenção da mídia, os pacientes morreram após receberem terapia com ozônio, em vez de outros tratamentos mais padronizados. Em um caso de 2015, dois médicos homeopatas de Las Vegas supostamente usaram geradores de ozônio para encher uma seringa com solução ozonizada e injetá-la em um paciente, que morreu no processo. Os médicos foram acusados ​​de assassinato em segundo grau e foram condenados a um mínimo de 25 anos de prisão.

Na maioria das vezes, as respostas federais à terapia de ozônio foram silenciadas. A FDA não enviou uma carta de advertência a um fabricante de geradores desde 2012. A Federal Trade Commission (FTC), que tem jurisdição sobre alegações de propaganda enganosa, trouxe sua mais recente ação relacionada ao ozônio em 2000 contra um fabricante de geradores de ozônio sediado no Tennessee. O caso chegou a cerca de US$ 1,5 milhão e impediu o fabricante de fazer futuras alegações sobre a capacidade dos dispositivos de purificar o ar. “É principalmente uma questão de recursos para nós”, disse Richard Cleland, diretor assistente da Divisão de Práticas de Publicidade da FTC. Incapaz de perseguir todas as alegações falsas de publicidade feitas, a FTC tem que avaliar os riscos de saúde e monetários apresentados por um anúncio antes de prosseguir com um caso. Cleland acredita que os anúncios de ozônio estão visando um público relativamente pequeno de entusiastas da homeopatia. “Não tenho certeza de quanto as vendas são para essas empresas”, diz ele. Em suma, o FTC tem mais o que fazer.

Tesla, embora não seja um showman mesquinho, provavelmente ficaria surpreso em saber que os vendedores de ozônio de hoje usam seu breve envolvimento como um fator de legitimidade. Quando se trata de seus geradores de ozônio, Tesla parecia estar livre de ilusões de grandeza. O ozônio não é mencionado em sua autobiografia My Inventions .

Tesla disse a Morgan que ele criaria uma pedra filosofal de sua tecnologia sem fio – uma fonte infinita de riqueza. Mas ele pode ter subestimado o ozônio. Tornou-se seu próprio tipo de pedra filosofal. Através de grandes promessas e mística química, a terapia de ozônio continua a transmutar uma substância básica em ouro.

Texto escrito por Natalie Jacewicz.

Traduzido por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ) do original ‘A Killer of a Cure’ com autorização oficial dos detentores dos direitos. Revisado por: Kelly Vargas.

Original (English) content from Science History Institute (https://www.sciencehistory.org/). Content translated with permission, but portuguese text not reviewed by the original author. Please do not distribute beyond this site without permission. [[Conteúdo original (inglês) do Science History Institute (https://www.sciencehistory.org/) . Conteúdo traduzido com permissão, mas o texto em português não foi revisado pelo autor do original. Por favor, não distribua o conteúdo sem permissão.]]

Scientia Vitis: Decantando a Química do Sabor do Vinho

Através de experimentos e da aplicação de novas tecnologias, cientistas da UC Davis estão trabalhando para determinar a composição molecular de um bom copo de vinho.

Pasteur estuda o vinho
Pasteur estuda as doenças do vinho em 1863. (Fonte: Instituto Pasteur)

A adega da Universidade da Califórnia em Davis (UC Davis) está repleta de filas de barris de madeira e garrafas de vinho antiquadas – algumas datando do final da Lei Seca, quando a indústria de vinhos americana teve de começar do zero. Olhe dentro das garrafas mais novas, no entanto, e você verá e experimentará os resultados de quatro décadas de pesquisas modernas sobre o que faz um ótimo vinho. Continuando uma tradição centenária, pesquisadores do Departamento de Viticultura e Enologia da UC Davis estão investigando a complexa dança entre ciência, arte e natureza que cria sabor e aroma no vinho.

A cabine de degustação
No laboratório de Hildegarde Heymann, as cabines de degustação são iluminadas pelo brilho profundo de uma lâmpada vermelha escura. “Damos vinho às pessoas em copos escuros e mudamos a iluminação da sala para tornar a cor das amostras mais difícil de discernir”, diz o professor de enologia da UC Davis. “Queremos que eles se concentrem no que provam e cheiram, não no que veem.” Um especialista de renome mundial na base molecular do aroma, Heymann diz que o sabor do vinho é uma experiência subjetiva e nebulosa que resulta de interações complexas entre muitas classes de compostos diferentes. Moléculas se misturam e coalescem, assim como as notas persistentes de framboesa e amora que permanecem no palato após a amostragem de um característico Shiraz jovem.

“A química que separa um merlot de um pinot noir é quase impossível de identificar”.

Ácidos, açúcares e taninos são os mais óbvios contribuintes para o sabor do vinho, mas essas três classes de moléculas são acompanhadas por um elenco notavelmente variado de moléculas orgânicas – muitas vezes aromáticas – que, em combinação, podem produzir uma surpreendente variedade de sabores. Em geral, sabores frutados são atribuídos a interações entre ésteres, álcoois e ácidos. Os taninos, ou compostos de fenol, dão ao vinho uma sensação adstringente na boca, e os açúcares determinam a doçura do vinho. No entanto, para tornar as coisas ainda mais complicadas, a interação dessas substâncias químicas parece depender das condições de crescimento e das práticas de fermentação.

“A química que define um merlot para além de um pinot noir é quase impossível de identificar”, diz Heymann. “Podem haver mais de 500 diferentes compostos de sabor únicos para cada variedade.” No entanto, Heymann e seus colegas estão tentando conectar combinações específicas de moléculas com sabores familiares. Como duas pessoas diferentes podem provar duas coisas muito diferentes ao provar a mesma garrafa de vinho, Heymann passa xícaras de casca de maçã e molho de soja por meio de janelas de provadores – definições de sabor que todos podem identificar. Em vez de reagentes químicos e gases nocivos, os armários do laboratório de Heymann contêm garrafas de molho de soja e pacotes de chocolate – todos usados ​​como base para comparação. Essa abordagem permitiu aos cientistas traçar algumas das características mais notáveis ​​do vinho até suas raízes químicas.

Moléculas com um Único Sabor
Um nível abaixo da sala de degustação de Heymann, Roger Boulton, professor de viticultura, conduz experimentos com os sulfetos produzidos durante a fermentação, cercados por um laboratório cheio de espectrômetros, cromatógrafos e outros equipamentos analíticos tradicionais. “Após 2.000 anos de produção de vinho, apenas algumas moléculas foram correlacionadas com um sabor específico”, diz Boulton. Um exemplo em que uma conexão direta foi estabelecida, ele explica, envolve metoxipirazinas, uma família de moléculas que fazem o vinho ter um sabor como o pimentão.

Metaxipirazinas foram inicialmente vistas desempenhar um papel no sabor do vinho em 1975, diz Boulton. São agora entendidas como particularmente importantes nas uvas cabernet. Embora quantidades vestigiais da molécula sejam consideradas aceitáveis, o excesso pode sobrecarregar o vinho, produzindo um forte sabor vegetal. Heymann e seus colegas mostraram que a molécula se quebra sob a luz, e os viticultores agora estão experimentando práticas crescentes que expõem as uvas a mais luz do Sol, na tentativa de minimizar a presença do produto químico. As folhas são retiradas das plantas, que são então comparadas a grupos de controle que crescem com cobertura de folhas. Até agora, os testes de sabor mostraram que o sabor de suco de pimentão pode ser alterado, modificando as condições de cultivo. “As pessoas podem identificar a diferença”, diz Heymann. “A maneira como você cultiva as uvas é absolutamente importante”.

Ainda, de acordo com Boulton, a conexão do gosto a uma molécula em particular é rara. Para mostrar que a metoxipirazina estava envolvida no sabor, primeiro tinha que ser isolada, então um receptor no nariz tinha que ser identificado. Finalmente, os painéis de provadores tinham que demonstrar que os vinhos com níveis mais altos de metoxipirazina tinham um cheiro diferente dos que não tinham. Cientistas em busca de moléculas de sabor no vinho raramente são capazes de passar por todos esses testes.

Um dos problemas mais difíceis na identificação da fonte molecular do sabor é que muitos dos compostos suspeitos têm limiares de detecção surpreendentemente baixos. No caso da metoxipirazina, por exemplo, o sabor é perceptível em 2 partes por trilhão. Como diz Heymann, apenas algumas gotas de metoxipirazina em uma piscina seriam suficientes para fazer você pensar que estava nadando em suco de pimentão. “Todos os sabores com os quais estamos lidando são muito baixos em concentração e, analiticamente, nem sempre sabemos sua identidade”, diz Boulton. “Isto é especialmente verdade com os vinhos tintos.”

Um dos problemas mais difíceis na identificação da fonte molecular do sabor é que muitos dos compostos suspeitos têm limiares de detecção surpreendentemente baixos.

Como muitas das moléculas de sabor no vinho são bastante potentes, o nariz pode detectar quantidades muito pequenas. Infelizmente, o equipamento de química usado no laboratório não é tão sensível quanto o nariz humano.

Apenas um punhado de outras moléculas foi ligado a um sabor distinto. Aldeídos voláteis de cadeia curta, como hexanal, pentanal e nonanal, contribuem para os sabores gramíneo, tipo-noz e laranja-rosa, respectivamente. Os terpenos específicos mostraram conferir ao Riesling seu aroma único. Crê-se que os glicosídeos das uvas cabernet sauvignon e merlot cheiram a figo, tabaco e chocolate, mas os sabores não foram correlacionados com um composto específico. Às vezes uma molécula é associada a um local específico, como é o caso do 3-mercapto-hexan-1-ol, um tiol que produz um rico sabor cítrico nos vinhos Sonya Blanc da Nova Zelândia: “Você pode fazer esse estilo em outros países usando as mesmas uvas ”, explica Heymann,“ mas é muito mais difícil e não tem o mesmo sabor”.

O básico: taninos, ácidos e açúcares
Como as moléculas responsáveis ​​por sabores específicos são elusivas, muitas pesquisas sobre vinhos e sabores se concentraram no papel dos ácidos, taninos e açúcares. Os especialistas há muito aconselham os clientes a considerar os níveis de tanino ao combinar o vinho com os alimentos. Na Pure Food and Wine, um restaurante de alimentos crus na cidade de Nova York, o sommelier Joey Repice busca vinhos orgânicos artesanais com uma estrutura bem equilibrada de taninos para acompanhar os sabores delicados das entradas vegetarianas frescas. “Há muitas sutilezas com a nossa culinária, e vinhos com muita estrutura muscular e tanina melhoram com refeições de carne”, diz Repice. Para pratos de carne, ele recomenda vinhos italianos conhecidos por terem uma boa estrutura de taninos – talvez um Barbaresco.

Os taninos são polímeros de fenóis que se escoam das cascas da uva durante a fermentação. Às vezes eles são pensados ​​para fornecer clareza, mas muitos podem causar uma amargura, às vezes conhecida como o “fator enrugador” [adstringente]. Embora os taninos sempre tenham desempenhado um papel fundamental no vocabulário dos especialistas, os cientistas não estão convencidos de que as moléculas estão relacionadas ao sabor. “O sabor pode ser rastreado até uma molécula interagindo com um receptor de cheiro, e os taninos não fazem isso”, diz Boulton. Em vez disso, os taninos se ligam temporariamente a proteínas genéricas na superfície das células da boca. Eles também mudam a textura e a viscosidade das proteínas na camada de saliva que reveste a língua, tornando-a menos fluida e escorregadia. Embora os taninos sejam lavados com água, há um impacto imediato em toda a boca quando você toma um copo de vinho rico em tanino. Com exceção da catequina e epicatequina – dois taninos que se comportam como moléculas de sabor – os fenóis geralmente não têm como alvo um receptor específico. A sensação seca de pungência da boca, associada a taninos – às vezes comparada à romã ou à polpa de limão – está mais relacionada a uma sensação adstringente do que a um sabor amargo.

Similarmente, acredita-se que os ácidos contribuam para a acidez, mas seu papel na criação de sabor permanece discutível. “Quando você muda a acidez de um vinho, a aspereza muda com frequência”, diz Boulton, “mas também há vinhos ácidos que não são azedos”. Boulton sugere que as moléculas de sabor são provavelmente separadas dos ácidos. Embora ele admita que essa hipótese ainda deva ser testada, é provável que a acidez crie um clima no qual moléculas azedas possam fazer sua mágica, diz ele.

Açúcares influenciam quase todos os aspectos de um vinho.

Como os taninos, os ácidos não adicionam diretamente ao sabor, mas influenciam a sensação do vinho na boca. Assim como os taninos contribuem para a clareza geral de um vinho, os ácidos ajudam a equilibrar a doçura e conferem ao vinho uma sensação mais arredondada. A chave – cientistas e sommeliers concordam – é manter os taninos e os ácidos sob controle. “Embora uma acidez sutil seja importante, ela precisa ser equilibrada”, diz Repice.

Açúcares, por outro lado, influenciam quase todos os aspectos de um vinho. No nível mais básico, a fermentação é o processo pelo qual a levedura converte a glicose e a frutose no suco de uva moído em álcool e dióxido de carbono. Controlar a quantidade de açúcar no vinho tem sido historicamente difícil porque a levedura tem um ciclo metabólico complexo e os níveis de açúcar variam dependendo da maturação da uva. No início do ciclo de crescimento, as bagas se expandem porque as células internas se multiplicam e se dividem. Mas à medida que a fruta amadurece, as células individuais começam a crescer, à medida que a água e o dióxido de carbono são convertidos em glicose, frutose e outros açúcares. Os níveis de glicose começam muito mais altos que a frutose, mas à medida que a uva amadurece, a proporção começa a mudar. Eventualmente, se as uvas puderem amadurecer mais, os níveis de frutose ultrapassarão a glicose e as uvas começarão a se transformar em passas.

Embora uvas em passa seja geralmente um mau sinal para os vinicultores, o Sauternes, da França, Trockenbeerenauslesen, da Alemanha, e alguns vinhos de mesa de colheita tardia fazem uso do murchado para atingir níveis de açúcar tão altos que os vinhos permaneçam doces mesmo após a fermentação. Mais tipicamente, porém, o excesso de açúcar faz com que o vinho tenha gosto de doces podres, dominando os sabores sutis que lhe conferem caráter e corpo.

Fermentação e Controle de Tanino
Enólogos têm mexido com sabor de vinho por milênios, variando as variedades de uvas, condições de cultivo e processos de fermentação, mas as práticas modernas associadas com as ciências da viticultura e enologia datam apenas no final do século XIX. Por volta de 1860, o fisiologista francês Louis Pasteur estabeleceu firmemente que a fermentação alcoólica é causada pela levedura. A constatação de que a fermentação era um processo biológico que poderia ser controlado e então produzir resultados previsíveis abriu uma maneira inteiramente nova de pensar sobre a produção de cerveja e a produção de vinho.

Desde então, os cientistas da fermentação fizeram contribuições profundas para uma ampla gama de outras disciplinas científicas. Muitos dos primeiros estudos que surgiram para as áreas de biologia molecular e bioquímica se basearam na levedura como um organismo modelo, e muitos foram motivados por questões sobre a fermentação do vinho, diz Boulton. De testes de cruzamento que testam teorias genéticas para experimentos de sinalização celular, a levedura de cerveja simples (Saccharomyces cerevisiae) continua sendo um dos organismos mais comumente usados ​​no campo da biologia molecular.

A constatação de que a fermentação era um processo biológico que poderia ser controlado e produzir resultados previsíveis abriu uma maneira inteiramente nova de pensar sobre a produção de cerveja e a produção de vinho.

Um importante cientista pioneiro foi Eugene Hilgard (1833-1916), que acabaria por fundar o departamento de viticultura na UC Davis. Nascido na Bavária e criado nos Estados Unidos, Hilgard estudou na Alemanha com importantes pensadores químicos como Carl Friedrich Plattner, Johann Joseph Scherer e Robert Bunsen. Ele retornou aos Estados Unidos, onde sua saúde deteriorada motivou uma mudança de carreira: ele se tornou um defensor das ciências financiado pelo Estado, que o levou a trabalhar ao ar livre, especialmente em levantamentos geológicos e agrícolas. Com Hilgard, a UC Davis encontrou um defensor sincero de pesquisas científicas práticas e aplicadas que beneficiariam a crescente indústria de vinhos do estado.

Como a maioria dos produtores de uvas de sua época, Hilgard acreditava que a cor era um marcador do processo de fermentação. Em um experimento engenhoso, mas pouco conhecido, Hilgard usou um estereoscópio – um dispositivo vitoriano popular que cria a ilusão de profundidade em uma fotografia, apresentando uma imagem ligeiramente diferente em cada olho – para acompanhar o processo de envelhecimento do vinho. O estereoscópio de Hilgard foi projetado por Michel Eugène Chevreul, um químico cujo trabalho com corantes e pigmentos influenciou os movimentos impressionistas e neo-impressionistas. Chevreul observou que o olho naturalmente fundia cores de tons ligeiramente diferentes, permitindo que tons contrastantes emprestassem profundidade e intensidade a uma imagem. Enquanto Chevreul usava o estereoscópio para observar distinções entre objetos em uma pintura ou tecido, Hilgard usou-o para estudar a mudança na cor de um vinho durante a fermentação. Manchas de vinho foram aplicadas ao papel em incrementos durante o processo de envelhecimento. “Você pode comparar o papel com um tecido de uma cor conhecida”, explica Boulton. Assim que o suco de uva verde fermentou, ele mudou para rosa, vermelho e, finalmente, para roxo – um processo que havia sido observado por milhares de anos. “[Os experimentos de Hilgard] avisaram as pessoas quando as transições de cores atingiram o pico, e o vinho poderia ser transformado em barris envelhecidos”, acrescenta Boulton. Como trabalho posterior mostraria, os taninos vazam das cascas da uva no início do processo nos barris. Permitir que o suco assente além deste pico pode resultar em muitos taninos, sem cor adicional. Boulton credita Hilgard como “o primeiro a quantificar esse processo”.

Os métodos de Hilgard estão agora sendo automatizados. Em 2001, Boulton e outros colegas da UC Davis lançaram o Projeto Hilgard – uma rede de transdutores de pressão que monitoram a fermentação em barris pelo mundo. “Como apenas uma safra de uvas pode ser cultivada a cada ano, pode levar décadas para uma vinícola coletar dados suficientes para tirar conclusões reais”, diz Boulton, “[mas] com o Projeto Hilgard estamos compilando dados suficientes para análise real ser realizada.” Os dados são disponibilizados para uso público, e Boulton diz que o escopo em breve será expandido para incluir outros métodos de amostragem. Planos estão sendo feitos para instalar colorímetros e outros sensores que podem ser usados ​​para monitorar os níveis de tanino e a concentração de álcool diretamente. Identificar o limiar em que os taninos param de contribuir para a cor, mas continuam a afetar a sensação na boca, é um objetivo futuro.

Estado da arte
O Projeto Hilgard está introduzindo também medidas quantitativas contemporâneas para outros aspectos da produção de vinho. Boulton instalou sensores de transdutor de pressão em três grandes tanques metálicos na vinícola de ensino da UC Davis para demonstrar que os dispositivos podem substituir as observações padrão rudimentares usadas durante a vinificação em larga escala. “Eles nos permitem monitorar o consumo de açúcar que ocorre durante o processo de fermentação e diagnosticar problemas”, explica ele. O dispositivo destina-se a substituir hidrômetros mais tradicionais – dispositivos flutuantes usados ​​para monitorar a densidade de sucos fermentados. Sendo que o líquido exerce uma força de empuxo igual ao peso do volume deslocado, o dispositivo flutua mais alto no fluido denso. O suco geralmente é mais denso antes da fermentação, quando existem mais sólidos dissolvidos. À medida que o processo de fermentação se completa, os açúcares dissolvidos são consumidos e o hidrômetro começa a afundar.

“Temos leituras mais precisas com sensores”, diz Boulton. Como os sensores do transdutor de pressão estão instalados na parte inferior do tanque, eles fornecem uma leitura geral média do peso do suco. As leituras dos hidrômetros, no entanto, são mais locais e, portanto, muitas vezes causam erros de amostragem – especialmente quando os sucos não são bem misturados. Boulton admite que, em uma base barril por barril, as medições detalhadas provavelmente não levam à produção de um vinho de maior qualidade – o produto final provavelmente não será melhor do que o resultado de um processo que usa um hidrômetro. “A ideia é coletar dados que possam ser usados ​​para entender padrões de larga escala na química de fermentação”, diz ele.

O processo de coleta de dados apoiado pelo Projeto Hilgard faz parte de uma longa tendência em direção à automação e computação. Os biossensores estão sendo desenvolvidos em laboratórios de pesquisa para ajudar a medir ésteres e álcoois em nível molecular, e dados de sensoriamento remoto são usados ​​para estudar os impactos das mudanças climáticas nos vinhedos.

Apesar de todos os esforços para métodos de medição sistemáticos, a estrutura do sabor do vinho não se tornou mais lúcida. Novas moléculas são descobertas no vinho a cada ano, mas muito poucas são vistas desempenhar um papel direto no sabor ou aroma. “Cinquenta anos atrás, as pessoas acreditavam que havia uma molécula que tornava Riesling ou Pinot Noir únicos, mas agora percebemos que é infinitamente mais complicado”, diz Heymann. Mesmo que pesquisas futuras correlacionem aspectos centrais do vinho com moléculas de sabor, as interações sinérgicas entre os principais compostos terão que ser analisadas.

Enquanto isso, Boulton e Heymann encorajam as pessoas a tomar a ciência em suas próprias mãos – talvez transformando a sala de estar ou a mesa da cozinha em um laboratório de degustação de vinhos e implementando alguns dos métodos de teste de sabor de Heymann em casa. “Recomendamos que as pessoas formem grupos, provem vinhos e procurem por identificações”, diz Boulton. “Comece com seus vinhos de frutas favoritos e potes de geleias de frutas diferentes. Qualquer coisa que faça as pessoas pensarem sobre o vinho de uma perspectiva analítica ajuda o campo a avançar”.

Texto escrito por Amy Coombs.

Traduzido por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ) do original ‘Scientia Vitis: Decanting the Chemistry of Wine Flavor’ com autorização oficial dos detentores dos direitos. Revisado por: Kelly Vargas.

Original (English) content from Science History Institute (https://www.sciencehistory.org/). Content translated with permission, but portuguese text not reviewed by the original author. Please do not distribute beyond this site without permission. [[Conteúdo original (inglês) do Science History Institute (https://www.sciencehistory.org/) . Conteúdo traduzido com permissão, mas o texto em português não foi revisado pelo autor do original. Por favor, não distribua o conteúdo sem permissão.]]

Lewisite e brometo de etídio no Instagram

Lewisite
molécula lewisite
Este cartaz da época da Segunda Guerra Mundial alertava para o perigo da Lewisite, uma arma química que em alguns casos poderia ter um odor parecido com gerânios. Os vapores da Lewisite são extremamente tóxicos e causam queimaduras na pele e olhos – com a formação de bolhas – dor intensa no sistema respiratório e em altas concentrações é fatal em apenas 10 minutos. Felizmente a substância foi raramente usada em campo de batalha – com nenhuma ocorrência durante a Segunda Guerra.
Publicado no nosso Instagram (@ligacaoquimica)
https://www.instagram.com/p/BmTFkMeHmQW/

Brometo de etídio
usado em laboratório de genética
Na década de 40 o brometo de etídio era utilizado como um medicamento antiparasítico, antiviral ou antibacteriano. Por ter um brilho característico sob luz ultravioleta e uma grande afinidade com o DNA – realizando intercalação – a substância é atualmente muito utilizada como marcador em pesquisas em biologia molecular para processos como a eletroforese em gel. O manuseio deve ser feito com cuidado pois tem um potencial mutagênico.
Publicado no nosso Instagram (@ligacaoquimica)
https://www.instagram.com/p/BmRNWzLnUET/

Resíduo não, não quero

a reciclagem da água
À medida que os suprimentos de água doce secam, mais e mais pessoas podem ser forçadas a aceitar água reciclada. (Fonte: Flirt/Alamy Stock Photo)

Efluente reciclado é demais para engolir?

Quem é contra a reciclagem? Mais pessoas do que você provavelmente imagina – sendo que estamos falando sobre reciclagem de água. Reciclar a água envolve o tratamento de águas residuais (água do chuveiro, água da lavanderia, água do banheiro) para torná-la potável. A própria ideia faz a maioria das pessoas se contorcer no início – os opositores chamam o processo de “toalete até torneira” – mas a seca e a superpopulação podem trazer essa ideia outrora extrema para o mainstream em todo o mundo.

A tecnologia usada para reciclar a água é realmente simples. Primeiro, uma estação de tratamento passa a água através de tubos longos, finos e ocos – de perto eles parecem com cerdas de escova de dentes – para filtrar detritos maiores que 0,2 mícrons de diâmetro. Em seguida, a água flui através de filtros ainda menores – 300 vezes menores que os cabelos humanos – que removem micróbios, medicamentos, minerais, pesticidas e corantes. Finalmente, a água é misturada com peróxido de hidrogênio e exposta à luz ultravioleta, que ativa o peróxido e permite que ele absorva quaisquer impurezas remanescentes.

Vários lugares ao redor do mundo já usam esse processo de três etapas para reciclar águas residuais, incluindo Cingapura e Windhoek, na Namíbia, ambas produzindo mais de um quarto de sua água dessa forma. E várias cidades e condados dos EUA usam-no para produzir água de irrigação para fazendas e campos de golfe, mas não para beber. Outras localidades bombeiam as águas residuais recicladas para os aquíferos para armazenar.

Mas algumas cidades americanas, como Wichita Falls, no Texas, e Cloudcroft, no Novo México, começaram agora a bombear água reciclada diretamente para as casas das pessoas. E é esse passo que se revelou controverso – embora não deva ser de uma perspectiva de saúde pública. A água residual reciclada é mais pura que qualquer água de torneira disponível; também é muito mais pura que a água engarrafada. Além disso, o abastecimento de água natural nos Estados Unidos não está na melhor forma: as secas já afligem grandes áreas do país. Muitas fontes naturais de água estão contaminadas por fezes de animais, metais pesados ​​e outras impurezas, fazendo com que 19 milhões de americanos fiquem doentes todos os anos. E a maioria dos americanos já bebe água reciclada de uma maneira diferente: quando a água do rio Mississippi chega a Nova Orleans, por exemplo, os cientistas estimam que cinco animais diferentes engoliram cada molécula e a urinaram.

Não há motivo para desprezar a água reciclada pelo seu sabor. Porque é tão pura – o passo de filtração remove a maioria dos sais dissolvidos – basicamente não tem sabor. De fato, algumas cervejarias corajosas no Oregon anunciaram planos de produzir cerveja com esgoto reciclado por essa mesma razão: os cervejeiros vêem essa água como uma folha em branco na qual podem fabricar cerveja para ter o sabor da maneira que desejarem.

Ainda assim, a ideia de beber água tratada causa aversão em muitas pessoas: 13% de todas as pessoas dizem que se recusam categoricamente a beber água reciclada, mesmo quando entendem todos os benefícios econômicos e ambientais. Estudos sobre a psicologia da repugnância ajudam a explicar por quê. Os seres humanos parecem acreditar implicitamente que certas coisas, seja por sua natureza ou por sua proximidade com outras coisas, podem ser contaminadas além da redenção. Estudos mostraram que a maioria das pessoas se recusará a beber suco de maçã fresco de um penico, mesmo que o penico nunca tenha sido usado. Nem comeriam chocolate em forma de cocô. Águas residuais parecem absorver esse mesmo sentimento de repugnância: uma vez no banheiro, nunca estará limpo. Mesmo a nova tecnologia sofisticada não ajuda. Quando Bill Gates demonstrou recentemente um dispositivo para purificar águas residuais em apenas cinco minutos, alguns observadores reclamaram que o processo aconteceu rápido demais: eles queriam mais “distância” psicológica entre o banheiro e a torneira.

Dependendo de onde eles moram, no entanto, essas pessoas podem não ter escolha. Em 2014, San Diego aprovou um plano de US$ 2,9 bilhões para expandir suas atuais estações de tratamento de esgoto para começar a reciclar as águas residuais e colocá-las nas casas das pessoas, de longe a maior cidade americana a dar esse passo. San Diego atualmente importa 90% de sua água de fontes distantes; mas essas fontes estão secando e as usinas de dessalinização (que removem o sal da água do mar) custam muito mais do que a reciclagem. O compromisso de San Diego é especialmente notável porque os eleitores rejeitaram essencialmente o mesmo plano em 1998. Mas daqui a 20 anos a cidade produzirá 314 milhões de litros de água reciclada por dia, um terço da sua necessidade projetada.

A maioria das cidades que estão considerando a água reciclada atualmente enfrentam secas severas, superpopulação ou ambos. Mas o resto do mundo pode não estar muito atrás. Apenas 3% de toda a água na Terra é água doce, e uma em cada oito pessoas atualmente – 900 milhões de pessoas no geral – não tem acesso à água potável. Muitos de nós podem achar que o pensamento de beber água residual reciclada é nojento. Mas, como os diamantes e ouro, o nojo pode se tornar um item de luxo no próximo século, disponível apenas para aqueles que podem pagar por ele.

Traduzido por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ) do original ‘Waste Not, Want Not’ com autorização oficial dos detentores dos direitos. Revisado por: Kelly Vargas.

Original (English) content from Science History Institute (https://www.sciencehistory.org/). Content translated with permission, but portuguese text not reviewed by the original author. Please do not distribute beyond this site without permission. [[Conteúdo original (inglês) do Science History Institute (https://www.sciencehistory.org/) . Conteúdo traduzido com permissão, mas o texto em português não foi revisado pelo autor do original. Por favor, não distribua o conteúdo sem permissão.]]

True Blue: DuPont e a Revolução das Cores

Os coloristas criadores de tendências do Duco Color Advisory Service, da DuPont, foram profetas da revolução das cores, orientando as corporações e os consumidores a escolher os matizes para tudo, desde os pára-lamas dos carros até as bancadas de cozinha.

Em agosto de 1926, Irénée du Pont, vice-presidente da EI du Pont de Nemours and Company, escreveu para Henry H. Bassett, gerente geral da divisão Buick da General Motors Corporation (GM), com uma proposta. Durante o início da década de 1920, a DuPont e a GM, ambas sob a liderança de Pierre S. du Pont, desenvolveram o acabamento Duco, uma laca automotiva de secagem rápida, durável, barata e colorida. Mais recentemente, os coloristas corporativos da DuPont criaram uma paleta distinta para a GM. Agora, o gigante automotivo, que usou o acabamento Duco em muitos de seus carros, estava tentando atrair o colorista de primeira linha da DuPont, H. Ledyard Towle, para sua divisão Fisher Body. Naturalmente, Irénée du Pont respondeu.

Towle dirigiu o Duco Color Advisory Service da DuPont em Nova York, recebendo pedidos de empresas automobilísticas e aconselhando-as sobre estilo e cor. O serviço de consultoria aprimorou a reputação da DuPont como uma empresa confiável que atendia às necessidades dos clientes, ao mesmo tempo em que protegia suas decisões estéticas. Se a Towle fosse partir para a GM, o relacionamento da DuPont com outras montadoras poderia ficar comprometido. Era imperativo que Towle – e os segredos comerciais de Detroit sobre cor – permanecessem na DuPont.

campanha save the surface
Detalhe, anúncio publicitário “Save the Surface”, The Literary Digest, 11 de fevereiro de 1928. (Fonte: Regina Lee Blaszczyk)

As deliberações da DuPont-GM sobre Towle coincidiram com grandes mudanças na prática de design corporativo durante a década de 1920. Empresas que fazem todos os tipos de produtos, de potes e panelas a aviões e automóveis, experimentaram maneiras de aumentar as vendas. Os esforços incluíram publicidade em massa, venda em prestações, mudanças no modelo – e merchandising nas cores. A popularidade da Color como ferramenta de negócios levou a Fortune, a nova revista corporativa do país, a publicar um artigo de 1930 intitulado “Colour in Industry”, descrevendo um “mundo repentinamente caleidoscópico”, no qual a cor funcionava como “um vendedor mestre, um distribuidor extraordinário”. A Fortune deu um nome atraente a essa mudança monumental: a revolução das cores.

Nesse contexto, a DuPont precisava do expertise de coloristas como Towle. Tradicionalmente, a indústria da moda define as tendências de estilo em cores e outras seguem. Interpretar cores da moda para Detroit exigia habilidades especiais. Os coloristas corporativos tiveram que amenizar os tons às vezes escandalosos gerados pelos costureiros parisienses para se adequar aos estilos de vida casuais e aos gostos variados dos americanos. Outra restrição veio de fabricantes, que demandavam um custo/benefício. Fabricantes de automóveis foram pegos entre as eficiências de preto e uma explosão descontrolada de cores dispendiosas. A regra das médias acabou por dominar o grande mercado do consumidor mediano, o maior público de carros coloridos. Os americanos da classe média compartilhavam o desejo de ter padrões de vida mais elevados, mas eram divididos por renda, educação, etnia e classe social. A cor comercial tornou-se uma ferramenta para expressar essa tensão sutil; os coloristas corporativos da DuPont eram os homens que mediavam o terreno.

Inovação Duco
As primeiras cores da Duco se originaram de uma parceria DuPont-GM que canalizou talentos gerenciais, de engenharia e científicos entre as duas empresas. No início de 1922, as empresas começaram a adaptar o Viscolac, um verniz de nitrocelulose da DuPont usado para a pintura de lápis, em uma nova laca, a Duco, adequada para acabamentos de automóveis. Até o início da década de 1920, o único acabamento automotivo durável e barato era o famoso esmalte preto processado em alta temperatura que Henry Ford usava em seu modelo T. Os carros de luxo, como o Cadillac e o Rolls Royce, vinham em uma variedade de cores pintadas à mão, mas mesmo aqueles vernizes desbotavam, lascavam e riscavam. Alfred P. Sloan, que havia se tornado presidente da GM em maio de 1923, acreditava que os consumidores que comprassem carros mais baratos apreciariam uma gama de opções de cores, especialmente se as pinturas durassem. A montadora Oakland Motor Car Company, decidiu pintar todos os sete de seus carros de turismo em 1924 com a Duco; cada um com dois tons de azul, listras acentuadas de vermelho ou laranja. Este tratamento “True Blue” fez sua estréia em Oaklands no Salão do Automóvel de Nova York em dezembro de 1923, concessionárias e consumidores responderam à nova dimensão estética e à promessa de um melhor desempenho técnico. No início de 1924, as os pedidos abundaram nos showrooms da GM; “O Duco se tornou tão popular”, relatou um executivo, “que os clientes agora estão exigindo isso”. Reconhecendo que o Duco era uma sensação, Sloan recomendou que a GM o aplicasse a todos os modelos. Em meados de 1925, as divisões da GM, da Chevrolet à Cadillac, estavam deixando de lado os vernizes e esmaltes testados e aprovados em favor da Duco.

O Duco teve várias vantagens em relação aos revestimentos tradicionais. Os vernizes mais antigos eram escovados em mais de uma dúzia de passos e precisavam de longos períodos de secagem entre as pinturas. O Duco com spray de secagem rápida reduziu os estágios, o tempo de secagem, os custos de mão de obra e o espaço de armazenamento. Vernizes tradicionais ficavam lascados, rachados, craquelados e desbotados; a laca Duco era quase invencível. Tolerava ar, sol, chuva, lama, umidade, calor, frio, água salgada, bactérias, transpiração, sujeira, sabões e detergentes. A maioria dos acabamentos baratos vinham em poucas cores, enquanto a Duco disponibilizou um arco-íris de tons. Junto com a mudança anual de modelo e a compra em prestações, o novo acabamento agregou valor à linha automotiva da GM.

Mesmo antes da estréia da True Blue, os observadores, com os dedos no pulso do mercado dos consumidores, exigiam carros coloridos e populares que correspondessem aos gostos dos consumidores em moda e design de interiores. A revolução das cores que varreu a América nos anos 1920 construiu transições que estavam em andamento há 75 anos. Durante a era dourada, empresas químicas inglesas e alemãs introduziram corantes sintéticos que usinas americanas usavam para fabricar têxteis em uma variedade de matizes permanentes e brilhantes. As impressoras usavam a cromolitografia para gerar cartões comerciais coloridos e cartazes para os anunciantes, bem como fotos decorativas para as casas das pessoas. Até mesmo as ruas comerciais anunciavam novos matizes, já que os supermercados da A&P e da Woolworth adotaram fachadas vermelhas nos estabelecimentos como parte da marca da cadeia de lojas. Essas novidades aguçaram os olhos e aguçaram o apetite pela cor.

O sucesso da True Blue fez com que as indústrias automotiva e química levassem a estética a sério. Fabricantes de tintas como a Egyptian Laca Manufacturing Company e a Valentine and Company, determinados a não serem superados pela DuPont, apresentaram suas próprias tintas, vernizes e lacas coloridas. Além das montadoras, os pintores de oficinas locais adotaram acabamentos de nitrocelulose para repintura de carros. Empresas como Murphy Varnish e Ditzler Color desenvolveram guias cromáticos para ajudar os pintores personalizados a entender os mistérios da cor. Dispositivos que simplificaram a seleção de cores democratizaram as decisões estéticas, que há muito eram atribuídas a artistas e donas de casa. Esses guias mostravam homens, de altos executivos à mecânicos de oficinas, exatamente o que a beleza poderia fazer pelo comércio e como sua gestão adequada poderia estimular as vendas no mercado de automóveis segmentados.

O Serviço de Consultoria da Duco Color
A princípio, a DuPont continuou vendendo a Duco para mais fabricantes de automóveis e oficinas de reparos. No início de 1925, seus clientes incluíam cinco divisões da GM e quatorze outras montadoras. Naquele ano, a DuPont vendeu mais de 3,7 milhões de litros de Duco por cinco dólares cada. Tecnicamente, o Duco superou a concorrência e o futuro parecia brilhante. No entanto, os gerentes da DuPont que conheciam as cores se sentiam desconfortáveis, sabendo que a empresa de produtos químicos precisava acompanhar continuamente a crescente sofisticação dos consumidores.

Em janeiro de 1925, dois gerentes da DuPont discutiram a necessidade da empresa por conselhos práticos sobre a psicologia das cores, como forma de antecipar os grandes modismos das cores. A DuPont deu um salto cromático em outubro de 1925, quando contratou Towle e criou o Duco Color Advisory Service para projetar as mais recentes e desejáveis ​​combinações de cores para a indústria automobilística. Nascido no Brooklyn, Towle estudou pintura no Instituto Pratt e na Art Students League. Durante a Primeira Guerra Mundial, ele aproveitou bem seu treinamento artístico como membro do célebre Corpo de Camuflagem do Exército dos EUA. Depois disso, adaptou-se ao crescente mundo da publicidade, trabalhando sequencialmente como diretor de arte de três agências de Nova York: HK McCann, Frank Seaman e Campbell-Ewald. Na Seaman ele também atuou como executivo encarregado da conta da DuPont e como executivo de representação da Cadillac, Oldsmobile, La Salle e Pontiac – todas divisões da GM.

Na década de 1920, grandes agências de publicidade de Nova York se autodenominaram como empresas de serviço completo, preparadas para ajudar os clientes a conceituar campanhas, escrever textos, criar obras de arte, projetar produtos, estimular a publicidade e conduzir pesquisas com consumidores. Seus departamentos de arte mostraram aos clientes como aproveitar o apelo das cores em anúncios impressos e projetos de produtos. Nesta capacidade, como Towle recordaria mais tarde em um relatório anual, ele “trabalhou pela primeira vez em cores com a indústria automotiva em 1924”, quando era “o único engenheiro de cores atuando no comércio de automóveis”. O pintor transformado em diretor artístico parecia um ajuste perfeito aos planos da DuPont de racionalizar a incipiente esfera das cores.

Os anúncios da Duco Color Advisory Service em revistas especializadas como Autobody afirmavam que o profissionalismo do serviço ajudou a DuPont a identificar combinações de cores “conhecidas por agradar à média”, que Towle e sua equipe de especialistas em cores souberam “escolher com confiança”. Isso significava amarrar os acabamentos da DuPont às tendências da moda européia, mantendo a Duco a par dos gostos em transformação e projetando esquemas de pintura que melhorassem as formas automotivas.

Para cumprir a primeira missão, Towle viajava para a Europa a cada outono, onde visitou o British Motor Show no Olympia em Londres e o Salon de l’Auto em Paris. Lá, ele estudou os carros novos e as pessoas elegantemente vestidas e relatou ao Duco Color Advisory Service, que os reformatou como um press releases. Os relatórios de Towle sobre a cor circulavam na cultura popular americana, enquanto jornais de todo o país publicavam suas descrições animadas e envolventes. “Toda Paris é louca por cor!” Towle declarou no Tribune Providence no final de 1926. O Grand Palais, que hospedou o Salon, parecia em chamas em laranjas quentes e laranjas queimadas. Em bulevares animados, autos do “haute monde e o demi-monde” rodopiavam em “esquadrões de cores agradáveis… como uma corredeira de montanha no final de um arco-íris.” Às vezes, Towle fazia compras de alta costura, fazendo anotações em desfiles para artigos sobre tecidos da alta costura. No outono de 1926, ele solicitou esquemas de pintura automotiva aos principais costureiros de Paris. Esses figurantes se voltaram para o glamour dos carros americanos: Lucien Lelong combinava tons de verde e pêssego em um roadster, enquanto o brilho de Madeleine Vionnet para carros esportivos a levou a decorar um em “tons de Dekkan Brown e London Smoke”. A lista cresceu enquanto Towle via nuances de cores em todos os lugares; ele entendeu seu lugar no sistema da moda e procurou explicar seu significado.

Por volta das férias de inverno, Towle retornou à Nova York para o National Automobile Show, onde fabricantes de carros americanos exibiram as mais recentes características de engenharia, acessórios, estofados e esquemas de cores. Entre os destaques no show nacional de janeiro de 1926 estavam 12 Lincolns decorados em tons espetaculares adaptados da plumagem de raros pássaros americanos e tropicais: o tanager verde do Equador, o cuco-lobo do Haiti, o pica-pau amarelo da Venezuela e muito mais. Um ano depois, as cores no show foram ainda mais estupendas. A “produção em massa”, relatou Towle no Brooklyn Standard Union e no Pittsburgh Gazette-Times , havia percebido que “todo o país está se interessando mais pelo uso da cor”. As fábricas de automóveis manejaram habilmente os pincéis, exibindo carros com esquemas de dois tons em “belas harmonias atraentes e quentes”. Eles fizeram para-lamas, suportes de janela, coberturas de pneus traseiros e estofamentos para combinar com o resto do carro. Com satisfação, Towle descreveu o National de 1927 como “o ponto alto da harmonia de cores”.

Esse tumulto de cor levou a alguns erros de projeto, e Towle estava ciente destes problemas. Algumas montadoras foram à loucura com as novas cores de nitrocelulose, arruinando bons modelos com trabalhos de pintura imprudentes. Abraçando uma abordagem forma-segue-função, Towle acreditava que um esquema de cores deveria ter alguma relação com a forma do carro. Os melhores trabalhos de pintura, explicou Towle em um artigo da Brooklyn Standard Union em 1927, acentuaram a forma da máquina e ocultaram suas falhas de projeto. “Listras longas e vigorosas ao longo da moldagem da parte inferior” fizeram um modelo “parecer mais longo”. Por que não, Towle postou, passar a faixa na frente do carro? Quando as pessoas se maravilhavam com as novas rodas multicoloridas da National 1927, Towle sugeriu que elas poderiam gostar dos efeitos policromos que acentuavam a forma do carro. Towle era um médico estético com um estetoscópio e um receituário. Seu paciente era a indústria automobilística visualmente ingênua; seu remédio, cor aplicada judiciosamente.

Towle assume as cores da GM
Entre 1925 e 1928, a Towle trabalhou arduamente para colocar o Duco Color Advisory Service em pé firme. Ele ficou com a DuPont em 1926, apesar das aberturas da GM. Em julho de 1928, no entanto, ele aceitou a oferta da montadora líder e mudou-se para Michigan. Lá ele trabalhou como o primeiro engenheiro de cores da GM e provavelmente cofundou sua Seção de Arte e Cor com o extravagante construtor de Hollywood Harley J. Earl.

Como colorista chefe da GM, Towle divulgou uma previsão mensal composta de uma circular animada sobre tendências gerais de estilo e um apêndice estatístico listando as vendas de carros por cor. As circulares de Towle foram além de uma lista básica de cores de carros mais vendidos; suas tabulações detalhadas mostraram que as escolhas do consumidor variavam de região para região e de modelo para modelo. Em uma circular da GM de junho de 1929, por exemplo, ele revelou que 87% dos compradores da Pontiac no Noroeste do Pacífico preferiam tons de azul. No Nordeste, apenas 17% dos compradores de Buick gostaram do azul. As comparações continuaram. Sempre cético, explicou Towle no periódico da Society of Automotive Engineers que ele verificou a opinião dos revendedores em relação ao gosto do público como “revelado nos periódicos, nos jornais e no rádio sobre roupas, móveis de casa e outros artigos”. Suas antenas de moda sempre foram sintonizadas no canal do consumidor. Muito do método de Towle se baseava em fatos concretos, mas muito também dependia da experiência, da intuição e do senso comum.

Towle passou dois anos mostrando à GM como lidar com as questões escorregadias de estilo, moda e bom gosto. Em 1930, porém, ele deixou a GM para retornar à agência Campbell-Ewald, desta vez para o escritório de Detroit, onde se especializou em publicidade ao ar livre, incluindo outdoors e cartazes. Ele estava mais feliz em unir cores, design e publicidade. Em 1934, tornou-se diretor fundador da Divisão de Design Criativo e Cor da Pittsburgh Plate Glass, que criava esquemas de cores para eletrodomésticos, layouts para showrooms e vitrines, novos tons para tintas e vernizes e de publicidade da empresa. Ele permaneceu uma figura importante na revolução das cores e ampliou sua influência com seus projetos para indústria, comércio e arquitetura.

Duco simplificado com cores Munsell
O sucessor de Towle no Duco Color Advisory Service foi outro colorista, Howard Ketcham. Membro da alta sociedade nova-iorquina, Ketcham cresceu em Manhattan e em Long Island e frequentou a prestigiada St. Paul’s School e a Amherst College. De 1925 a 1927, ele seguiu os passos de Towle, trabalhando como diretor de arte de HK McCann enquanto estudava na New York School of Design. Em 1927 ele se juntou ao escritório Duco, onde trabalhou até 1935. Então ele fundou a Howard Ketcham, Inc., uma consultoria de cores no Rockefeller Center.

A Ketcham herdou da Towle um serviço de consultoria de cores que enfatizava o valor de mercado da beleza praticada nas artes industriais. Inicialmente, a Ketcham continuou esses esforços através de um projeto conjunto com a Cheney Brothers, uma fábrica de seda que entendia o sistema da moda. A estratégia de Cheney era centrada em um portfólio de cores de três níveis: “novidades”, ou novos itens sazonais, linhas de “segunda temporada” e “populares”. As novidades de alta moda, desmembradas das previsões de cores da empresa, renderam a maior parte dos lucros. Ao longo dos anos, o diretor de vendas de Cheney, Paul Thomas, foi muito amigo dos interesses da DuPont, fornecendo à empresa previsões de cores para a seda. Agora ele esperava que uma ligação com a DuPont confirmasse o status de Cheney como líder do setor. O Duco Color Advisory Service, por sua vez, esperava aprender algo sobre design e marketing de alto nível.

No final de 1928, a DuPont anunciou um conjunto de cores de carros Duco com base na previsão de Cheney para o outono seguinte. Incluía a Red Shadow Red, “um vermelho amarelado adequado para uso com marrom ou bege, como uma cor aros ou para listras,” e Sea Bubble, “um bege natural desenvolvido pela indústria da seda que recebeu grande aceitação no mercado comercial têxtil, bem como na indústria automotiva. ” Havia também as cores Pewter Pot, Blu-Gray, Gray Gull, Bay Tree, Verdancia, Water Glo e Lei Orange. A paleta de Cheney-DuPont continuou a missão da Towle de aumentar o capital cultural da DuPont com linhas de alta classe.

Mas embora Ketcham reconhecesse a importância das artes industriais, este colorista da DuPont também adotou as práticas da profissão de engenharia (mais tarde ele foi chamado de pai da engenharia de cores). Alarmada com o portfólio de 7.500 cores da DuPont, a Ketcham simplificou a razão de ser do Serviço de Consultoria da Duco Color. O truque estava em determinar quais cores ressoavam na classe média, de modo a melhorar a eficiência e aumentar as vendas. Em seus oito anos como colorista chefe da DuPont, Ketcham se concentrou em racionalizar as previsões de cores e reduzir radicalmente a paleta Duco.

O primeiro passo da Ketcham foi criar o Automobile Color Index, uma análise quantitativa mensal das vendas da Duco. Essa ferramenta de previsão híbrida deve seu rigor analítico à Towle e à GM e seu respeito pela moda à Cheney. Emulando Cheney, Ketcham dividia as cores Duco em três grupos: padrão, estilo e popular. Começando no verão de 1929, Ketcham rastreou esses três grupos e mediu a ascensão e queda de famílias de cores, tais como vermelhos, marrons e amarelos. Sua pesquisa revelou como a Grande Depressão afetou os hábitos de compra dos consumidores. Em 1933, o preto estava de volta aos negócios, um grande desafiante para o azul. O Automobile Color Index resumiu essas tendências em tabelas e gráficos elaborados e exibiu o conhecimento estatístico do novo colorista chefe da DuPont.

Em seguida, a Ketcham lançou o tributo completo da DuPont à engenharia de cores: Duco Calibrated Colors, uma paleta de 290 matizes cuidadosamente selecionadas. Em 1932, as empresas americanas de pintura tinham 11.500 cores automotivas diferentes em seus inventários. Não havia lógica por trás desse crescimento, decorrente da falta de planejamento. Muitos fabricantes de laca ainda ofereciam cores que ninguém encomendou há vários anos. Mas o maior problema está nas práticas de fabricação. Alguns produtores acharam difícil controlar reações químicas em suas fábricas, gerando “até 80 variações de uma cor original”. As montadoras de carros atarefadas exacerbaram o problema quando aceitaram os lançamentos off-color. As coisas também pioraram quando as empresas de automóveis trocaram os fornecedores de tinta, que tentaram, sem sucesso, igualar as cores dos concorrentes. O resultado final foi um número crescente de incompatibilidades.

Ao criar as Cores Calibradas Duco, a Ketcham adotou o prático sistema de medida de cor da Munsell Color Company para descrever matiz, valor e croma. Enquanto Towle apoiava uma psicologia da cor, Ketcham enfatizou fatos concretos. Escrevendo para o comércio de tintas, ele descreveu uma harmonia de dois tons de maneira simples e direta: “Cor prevalente um marrom claro. O caráter de tal marrom pode ser melhorado através do uso de luz, verde azulado claro como uma ênfase de listras. O marrom é na realidade um fraco tom de vermelho. O verde azulado é o complemento do vermelho. O uso de uma cor com seu complemento tende a intensificar as duas cores”. Essa linguagem de eficiência tinha valor de mercado. O uso do sistema Munsell por parte da Ketcham refletia a nova percepção da Duco de que a cor podia ser domada, controlada e empacotada.

Ironicamente, o plano de simplificação de Ketcham se enquadrava diretamente nas artes industriais, onde Albert H. Munsell fez sua pesquisa pioneira. Durante a década de 1920, o Laboratório de Pesquisa Munsell e a Munsell Color Company realizaram pesquisas fotométricas com o Bureau of Standards e divulgaram seu sistema entre escolas e empresas. Entre 1928 e 1930, Walter M. Scott, antigo químico-chefe de Cheney, trabalhou como diretor de serviços da Munsell Color Company. Scott usara o sistema Munsell na usina de seda de Cheney, o que levou a sua entusiástica promoção dele como uma ferramenta estética para os negócios. No início da década de 1930, o método prático de medição de cores de Munsell estava rapidamente se tornando o padrão aceito nas artes industriais, e Ketcham provou ser sábio ao adotá-lo para a DuPont.

Nos 10 anos entre a chegada de Towle e a partida de Ketcham, a DuPont experimentou uma notável transformação na prática de cores. Seus temperamentos e técnicas diferiam, mas ambos tinham pressupostos comuns e reconheciam a responsabilidade fundamental do colorista no mercado dos compradores. “É tão caro estar muito à frente da tendência de cor quanto não é lucrativo ficar para trás”, escreveu Ketcham na revista Industrial Finishing. “Então, o fabricante ou revendedor que deseja atender os mercados quando eles iniciam faz bem em determinar antecipadamente a escolha das cores pelo público.” Os coloristas experientes aprenderam, assim, a seguir as pistas do mercado, observando as mulheres vestindo vestidos de Paris ou analisando as vendas de Buicks azuis. Eles foram, em suma, “obrigados a manter-se a par da consciência de cor do consumidor”.

Porquê True Blue importava
A história da DuPont e a revolução das cores revelam muito sobre o funcionamento interno do sistema de moda durante a era moderna. A DuPont descobriu que não havia nada de fácil nos negócios da moda. Os homens do mercado de tintas achavam difícil mensurar o consumidor feminino instável e volúvel. No final, a DuPont seguiu o comércio têxtil, que, como outras indústrias de produção em lotes, aperfeiçoou um sistema de mediação do consumidor. O gigante químico em crescimento até adotou o sistema de cores Munsell mais favorecido nas artes industriais.

Conforme a DuPont padronizou a paleta Duco, a empresa ajudou a estabelecer novas regras básicas para a inovação de design em bens duráveis. Em meados da década de 1930, as escolhas de cores Duco incorporavam os gostos no grande meio-termo – o mercado de massa – enquanto permitia variações. Blue agradou aos conservadores, mas o popular vinha em muitas listras. Além do True Blue, havia centenas de outros ‘blues’ [azuis], todos voltados para a variedade de gostos populares. Essa seleção permitiu aos consumidores da classe média sinalizar as diferenças entre si.

A proliferação de sistemas de previsão chega ao cerne da questão. Não havia uma maneira melhor de prever o apelo das cores com precisão, porque não havia um gosto único ou uma única categoria de produtos. No entanto, seja nos têxteis ou nos automóveis, as paletas como um todo tinham apelo popular, e as cores individuais tinham um pouco de distintividade. Cada um foi projetado para trabalhar com uma linha específica de produtos. Uma mulher pode usar um terno Rosa Choque de Elsa Schiaparelli por décadas, mas um carro Fire Red ficava logo cansativo. Cópias exatas de cores de alta costura pareciam estranhas em para-lamas, portas e estofados. Homens como Towle e Ketcham explicaram por quê. Quando os coloristas industriais falavam, as corporações ouviam e, em meados da década de 1930, os especialistas em cor tinham uma posição na cultura empresarial americana.

Este artigo baseia-se na pesquisa de um novo livro,The Colour Revolution, financiado pela Edelstein Fellowship da CHF e pela National Endowment for the Humanities Fellowship for 2007–2008.

Traduzido por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ) do original ‘True Blue: DuPont and the Color Revolution’ com autorização oficial dos detentores dos direitos. Revisado por: Kelly Vargas.

Original (English) content from Science History Institute (https://www.sciencehistory.org/). Content translated with permission, but portuguese text not reviewed by the original author. Please do not distribute beyond this site without permission. [[Conteúdo original (inglês) do Science History Institute (https://www.sciencehistory.org/) . Conteúdo traduzido com permissão, mas o texto em português não foi revisado pelo autor do original. Por favor, não distribua o conteúdo sem permissão.]]

Esperança química

usos do polietilenoglicol
O polietilenoglicol, graças às suas propriedades sedentas pela água, encontrou uma ampla variedade de usos desde sua criação em 1859. Aqui o produto químico é usado por conservadores em Portsmouth, Inglaterra, para estabilizar os restos de Mary Rose, um navio de guerra construído por Henry VIII e afundado pelos franceses em 1545.

Texto escrito por Sam Kean

Uma molécula usada em anticongelante pode um dia curar medulas espinhais danificadas.

Pesquisas sobre lesões na medula espinhal às vezes parecem fúteis. Durante o século passado, milhões de horas de trabalho e incontáveis ​​milhões de dólares de pesquisa foram despejados no campo – e todo esse esforço produziu exatamente zero tratamentos para danos na medula espinhal. Como observou um neurologista, “seria difícil encontrar qualquer outro ramo da ciência com mais de um século de tal esforço estéril”. Mas na última década, essas perspectivas sombrias se iluminaram consideravelmente, graças a um produto químico simples chamado PEG.

PEG significa polietilenoglicol, um polímero de cadeia longa com uma incrível sede por moléculas de água. Foi criado em 1859 e desde então tem sido usado em uma variedade estonteante de produtos, incluindo creme dental, fumaça artificial e anticongelantes. Talvez o mais famoso seja que os arqueólogos usaram o PEG para proteger a frágil pintura dos guerreiros de terracota da China contra a umidade do ar e preservar os pedaços de madeira de antigos naufrágios. No último caso, os cascos de madeira emergem das profundezas salgadas, muito encharcados, muitas vezes com a consistência de papelão molhado. O PEG estabiliza a madeira e substitui as moléculas de água no interior das células da madeira, o que impede que as tábuas se encolham e se partam quando a madeira seca.

PEG tem usos na medicina também, mais comumente como laxante. Sendo uma molécula sedenta por água, o PEG impede que os intestinos reabsorvam a água nas fezes, o que mantém as fezes moles e pesadas e facilita a passagem.

Mais recentemente, empresas de biotecnologia usaram o PEG para criar anticorpos que combatem doenças. Anticorpos são normalmente produzidos por certos glóbulos brancos, mas essas células não crescem bem fora do corpo, tornando os anticorpos difíceis de produzir em massa. Dois cientistas finalmente contornaram essa limitação na década de 1970, misturando, entre outras coisas, o PEG com as células cancerígenas. César Milstein e Georges Köhler sabiam que as células cancerígenas, embora destrutivas dentro do corpo, crescem muito bem no laboratório. Então eles começaram a procurar maneiras de fundir células produtoras de anticorpos com células cancerígenas para aproveitar as boas características de ambos. Após uma tentativa fracassada de usar vírus, Milstein e Köhler conseguiram criar esses “hibridomas” com o PEG. O polímero parece promover a fusão de células, desidratando e quebrando suas membranas, forçando as células a entrar em contato e permitindo que fiquem juntas. O trabalho de Milstein e Köhler sobre produção de anticorpos lhes rendeu um Prêmio Nobel em 1984 e ajudou a gerar uma indústria multibilionária que produziu tratamentos para a doença de Crohn, artrite reumatoide, vários tipos de câncer e rejeições imunológicas em cirurgias de transplante.

A capacidade do PEG de fundir células também explica por que o polímero se mostra tão promissor no tratamento de danos na medula espinhal. Nervos fora da medula espinhal – que transportam sinais para seus membros e órgãos – podem crescer novamente, ainda que lentamente, depois de sofrerem danos. O tecido nervoso dentro da medula espinhal não cresce novamente após o dano, o que significa que as lesões da medula espinhal geralmente causam paralisia permanente.

Mas o PEG poderia contornar essa limitação. Quando aplicado a células espinhais danificadas, quebra suas membranas e permite que as células acima e abaixo do local da lesão se fundam. Como resultado, os sinais do cérebro – que uma vez se dissiparam no ponto de ruptura – agora podem cruzar o local da lesão e conectar o cérebro e a parte inferior do corpo mais uma vez.

Até agora, o PEG provou ser eficaz no tratamento da paralisia da medula espinhal em uma variedade de mamíferos, incluindo cães. Eu pessoalmente testemunhei a maravilha do PEG em ratos enquanto visitava um laboratório de pesquisa na China. Lá, observei dois alunos de pós-graduação cortarem cirurgicamente a medula espinhal de vários camundongos, o que deveria ter tornado suas patas traseiras inúteis. (Eles cortaram as espinhas no meio das costas.) Mas antes de costurar os ratos, os estudantes esguicharam ali algumas gotas de PEG dissolvido em água, uma solução com uma cor levemente âmbar [alaranjado]. Dois dias depois, esses ratos estavam andando novamente. Não perfeitamente: eles ainda balançavam um pouco. Mas, em comparação com os ratos de controle – que não receberam PEG e que estavam arrastando suas pernas mortas – os ratos PEG fizeram uma recuperação quase milagrosa.

No momento, o PEG continua experimental. O sucesso em animais de laboratório não garante o sucesso em seres humanos, e ninguém sabe até que ponto o PEG – que no laboratório costuma ser aplicado imediatamente após danos na medula espinhal – funcionaria em lesões de longa duração, muitas vezes cobertas de tecido cicatricial. (Cirurgiões talvez pudessem contornar isso fazendo cortes novos que reduzissem as cicatrizes). Mas o PEG e outras substâncias químicas que fundem as células (coletivamente chamadas de fusogênios) mostram uma genuína promessa. Somente nos Estados Unidos, 11.000 pessoas sofrem danos na medula espinhal a cada ano, sem perspectivas de melhora. Depois de um século de tal esforço estéril, vale a pena comemorar um modesto broto de esperança.

Texto escrito por Sam Kean.

Traduzido por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ) do original ‘Chemical Hope’ com autorização oficial dos detentores dos direitos. Revisado por: Kelly Vargas e Lucas Capello.

Original (English) content from Science History Institute (https://www.sciencehistory.org/). Content translated with permission, but portuguese text not reviewed by the original author. Please do not distribute beyond this site without permission. [[Conteúdo original (inglês) do Science History Institute (https://www.sciencehistory.org/) . Conteúdo traduzido com permissão, mas o texto em português não foi revisado pelo autor do original. Por favor, não distribua o conteúdo sem permissão.]]

Nossas sugestões de leitura:
Síntese de dioxano partindo de etilenoglicol