Tag: lítio

Qual é a substância química mais perigosa?

reação composto com zinco
Membros da equipe do Periodic Videos contam qual foi a substância química mais perigosa com a qual já trabalharam.

Martyn escolheu um composto a base de níquel, e conta a sorte que teve em um pequeno acidente. Veja mais histórias no vídeo abaixo.

Vídeo com legenda em português. Para ativar clique no play e após clique no botão CC que aparecerá no vídeo.

Esta mensagem se destruirá em 5 segundos

infofuse-1
(c) PNAS

“A criatividade é o poder de conectar o aparentemente desconectado.” (William Plomer)

A criatividade, presente em um artigo publicado na PNAS de março, ficou por conta de uma tira inflamável de nitrocelulose, embebida com diferentes metais alcalinos em diferentes regiões, que ao queimar emite diferentes cores.

O padrão de cores emitido na queima da tira pode ser utilizado para transmitir uma mensagem. Basta que um espectrômetro faça a leitura dos diferentes sinais durante a queima e traduza a mensagem codificada.

A equipe de pesquisadores conseguiu transmitir com sucesso a mensagem “LOOK MOM NO ELECTRICITY” utilizando apenas sais de lítio, rubídio e césio. Seria quase como transmitir uma mensagem por um daqueles clássicos teste de chama, em uma versão código-morse.

Perceba que ao queimar a tira emite chamas em diferentes cores. Esta é a mensagem codificada.
infofuse-2
(c) PNAS

As combinações de sais para gerar cores e codificar as letras, foram feitas de forma com que os casos em que se poderia ter a maior confusão de sinais, ficasse reservada para codificar letras menos comuns no alfabeto (em inglês), tais como Q, Z e X. E as de melhor qualidade para as letras mais comuns, E, T e A. Esta uma uma bela demonstração de criatividade ao se montar um experimento.

Samuel W. Thomas III, do Pearson Chemistry Laboratory, enquadra a idéia como sendo ´infoquímica´ (infochemistry), uma intersecção entre a informação e a química. “Células se comunicam usando sinais químicos, e nós estamos interessados em conectar um tipo de comunicação química e a comunicação digital na qual nossa infraestrutura tecnológica está baseada”, afirma ele.

ResearchBlogging.org
Thomas, S., Chiechi, R., LaFratta, C., Webb, M., Lee, A., Wiley, B., Zakin, M., Walt, D., & Whitesides, G. (2009). From the Cover: Infochemistry and infofuses for the chemical storage and transmission of coded information Proceedings of the National Academy of Sciences, 106 (23), 9147-9150 DOI: 10.1073/pnas.0902476106

Recarga em segundos

notícia sobre inovação em baterias
Planejava escrever aqui sobre uma pesquisa que aponta para a possível criação de uma bateria de lítio muito mais rápida em seu processo de carga e descarga.
A mídia tradicional foi rápida e a notícia já está presente em sites tradicionais como o G1.
Veja…

Cientistas criam bateria de celular capaz de recarregar em 10 segundos

Novas baterias se recarregam em segundos

Baterias mais eficientes (será verdade?) 2

Artigo:
Battery materials for ultrafast charging and discharging
Byoungwoo Kang & Gerbrand Ceder

Nature 458, 190-193 (12 March 2009)
https://dx.doi.org/10.1038/nature07853

Lítio – demanda crescente

carro chevy volt bateria

Corrida pela criação de novas tecnologias para agradar consumidores preocupados com o meio ambiente pode acabar trazendo alguns novos desafios para a indústria.

Um exemplo bem claro disso ocorre com a crescente indústria de baterias à base de lítio, que além do tradicional e gigantesco uso em celulares e notebooks, começa a ter importância estratégica na produção de carros híbridos e elétricos. O melhor desempenho das baterias de lítio, na armazenagem de carga e no menor peso, já fez com que, a General Motors, por exemplo planejasse usar baterias deste tipo em seus modelos Chevy Volt e Saturn Vue.

A demanda de lítio fez com que o preço do produto (uma commodity) aumetasse nos útimos anos. E já existem estrategistas preocupados com possíveis gargalos na obtenção do lítio. Por enquanto não existem problemas com a quantidade de lítio, mas sobre o controle dos locais nos quais ele se encontra em maior concentração e facilidade de extração.

A revista americana Forbes já lançou a carta, chamando o Chile de ´A Arábia Saudita do Lítio´, isto porque o serviço geológico americano alegou que o Salar de Atacama pode conter em torno de 27% das reservas de lítio do planeta, com presença ainda de importantes reservas no Salar de Uyuni na Bolívia e um salar no Tibet (China).

A troca de veículos movidos a gasolina por híbridos tem como argumentação a preservação do meio ambiente, e a pedra no sapato pode continuar com a extração de lítio destas reservas, acarretando mudanças na ecologia das reservas. Mas ainda é possível que essa troca seja, no final das contas, vantajosa.

Um das empresas que investe pesado em baterias de lítio é a A123 Systems que recentemente lançou uma nova linha de baterias com propriedades muito boas para diversas aplicações, e com demonstrações de performance ainda mais impressionantes, como o uso da tecnologia na moto eletrica mais rápida do mundo. No entanto a empresa não se manifesta sobre a questão do lítio.

moto eletrica a123

O assunto já fez com que despertasse a consciência para aposta em tecnologias que apresentam materiais abundantes, tais como níquel, zinco, magnésio, etc.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Lítio – reage com nitrogênio

mão segurando um pouco do elemento lítio
O lítio está no topo do grupo dos metais alcalinos na tabela periódica, é muito reativo e tem utilidade na química orgânica para ativar a formação de ligações carbono-carbono.

Se o metal for deixado em contato com o ar, ocorre uma reação com o nitrogênio formando uma camada escura sobre o material, que é composta de nitreto de lítio.

É um metal muito leve e reage com água.

O lítio tem diversas aplicações, uma delas é no tratamento de desordem bipolar.

O vídeo está legendado em português. Para ver a legenda, clique no PLAY e depois ative a legenda clicando no botão no inferior direito e selecione “Ativar Legendas >> Português”.
Assista mais vídeos traduzidos em
https://www.youtube.com/view_play_list?p=BFA8BBE552D8FF65

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.