Tag: fotos

Fluoresceína sob luz ultravioleta

fluoresceína dentro de tubo de ensaio
A fluoresceína, especialmente na forma de seu sal sódico, chamado algumas vezes de uranina, é um composto químico que ao ser dissolvido em água e colocado sob luz ultravioleta emite uma coloração que fica entre o verde e o amarelo. O interessante é que quando está sólida, a fluoresceína tem uma cor vermelha bem forte, tornando o efeito de cores bem inusitado.

Por causa desse brilho intenso é de se esperar que a fluoresceína seja amplamente utilizada como corante. E na pesquisa científica pode ser utilizada como um marcador para ressaltar certas características de um material orgânico ou de fluídos de origem biológica, pois o composto pode se ligar e ‘marcar’ certas proteínas.

A dependência do brilho com a acidez do meio também permite criativos usos da fluoresceína na determinação do pH de uma amostra.

Vídeo com a adição de fluoresceína em água e etanol (vídeo sem legendas).

Texto escrito por Lígia Bartmer e Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Bolhas do refrigerante em um copo

refrigerante sabor laranja em bequer com destaque para as bolhas
Perceba que em uma área do vidro existe uma maior formação de bolhas de CO2 do gás do refrigerante. Isto ocorreu porque esta parte do vidro foi recoberta propositalmente com margarina – para simular uma superfície engordurada. A presença da margarina facilitou a formação preferencial de bolhas nesta parte do vidro.
Esta pode ser uma das formas de se identificar se a superfície interna de um copo possui alguma irregularidade ou sujeira depositada.
A dica deve ser utilizada com cuidado, pois nem sempre a formação de bolhas em uma área específica significa que o copo está sujo, podendo ser originada por outro motivo, não sendo um sinal de falta de higiene.
Fenômeno semelhante pode ser observado em uma panela com água fervente, na qual as bolhas formarão preferencialmente em irregularidades no interior da panela.
Ainda, a brincadeira de colocar mentos na coca cola também tem relação com irregularidades presentes na superfície do mentos, leia mais sobre isso em ‘Mentos e coca cola’.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Imagem em licença Creative Commons (by-nc-sa).
by nc sa

Copo de isopor e acetona

fundo de um copo de cafe com furos por causa da adição de acetona
É possível destruir a estrutura do isopor (poliestireno expandido) com a adição de acetona (ou solvente semelhante, como a gasolina por exemplo). Neste caso a acetona desestabilizou a estrutura do poliestireno facilitando a saída da grande quantidade de bolhas de ar que o material apresenta, diminuindo muito o seu volume e causando essa sensação de ‘desmanchar’.
É importante salientar que o produto vendido em farmácias com o nome de acetona não contém a substância acetona em quantidades suficientes para se obter este efeito.
A venda de acetona em alta pureza é controlada para evitar seu uso no refino de drogas.

Veja também
Isopor em acetona

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Imagem em licença Creative Commons (by-nc-sa).
by nc sa

Ascensão capilar

tubo capilar dentro de um bequer com liquido vermelho
A imagem mostra o efeito da capilaridade.
Ao introduzirmos um tubo capilar em um líquido observamos ele subir através do tubo, isso ocorre pois as moléculas do líquido, que estão sobre força de coesão (atração entre as moléculas), vão ser atraídas pelas moléculas da parede do tubo, fazendo com que o líquido suba através do tubo capilar. Essa atração que acontece entre as moléculas diferentes recebe o nome de adesão.
Os tubos capilares levam esse nome por serem semelhantes a um fio de cabelo, nestes tubos ocorre o fenômeno de capilaridade, dependendo da sua utilização ou aplicação eles podem ser feitos de diferentes materiais como cobre, vidro, ligas de metal, etc. Quanto mais fino for o tubo maior é o efeito.
Levando em consideração o caso em que o tubo capilar é de vidro e o líquido é a água, a força de adesão entre as superfícies da água e do vidro é maior que a força de coesão das moléculas de água, então a água vai aderir ao tubo capilar formando uma curvatura côncava, esta curvatura em virtude da tensão superficial suporta que a água do tubo fique acima do nível existente no recipiente.
Já no caso em que o líquido é o mercúrio, a força de coesão entre as moléculas de mercúrio é superior a força de adesão entre o vidro e o mercúrio, sendo assim o mercúrio não vai aderir ao tubo de vidro, formando uma curvatura convexa, esta curvatura em virtude da tensão superficial é responsável pelo líquido descer no tubo.
A fotografia foi realizada com água colorizada com corante alimentício, por isso ocorreu uma ascensão capilar. Se fosse com mercúrio teríamos o efeito contrário.

Texto escrito por Andressa Simões e Lígia Bartmer.

Imagem em licença Creative Commons (by-nc-sa).
by nc sa

Taça com água tônica, azeite de oliva, álcool e espinafre

coquetel de cores
Esta taça possui duas fases, a superior é uma mistura de azeite de oliva com um extrato de folhas de espinafre feito com álcool (etanol). Na parte inferior temos água tônica.
O brilho é devido à iluminação feita com luz ultravioleta (UV). Neste caso o extrato de espinafre tem um brilho intenso e vermelho; enquanto que a água tônica brilha azul pela presença de quinina em sua composição.
O brilho vermelho ocorre em parte pela interação da luz ultravioleta com a clorofila presente no extrato, que emite parte da energia recebida no comprimento de onda correspondente ao vermelho, em um processo chamado de fluorescência. Processo semelhante ao que ocorre com a quinina.

Leia também
Medidor de Fluorescência Caseiro

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Imagem em licença Creative Commons (by-nc-sa).
by nc sa

Uma mão que brilha!

mão com luva e líquido que brilha no escuro
O líquido extraído de pulseiras luminosas de várias cores foram utilizadas para criar este efeito.
O brilho mais intenso foi obtido pela iluminação por luz negra (ultravioleta (UV)).
A mão foi protegida com uma luva para evitar queimaduras na pele, que podem ocorrer devido à possível presença de certa quantidade de água oxigenada (peróxido de hidrogênio) na composição deste tipo de pulseira luminosa.
Por ser um produto adquirido avulso, não é possível saber exatamente a composição química do material.

Para saber mais sobre a química, e alguns experimentos, veja:
Quimiluminescência orgânica: alguns experimentos de demonstração para a sala de aula

Imagem em licença Creative Commons (by-nc-sa).
by nc sa

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.