Tag: experimentos

Três formas de fazer cloreto de cobre

Reação entre sulfato de cobre e ácido clorídrico

O primeiro método apresentado pelo NurdRage é uma simples adição de cobre ao ácido clorídrico – com borbulhamento constante de ar na solução. O procedimento é o mais lento de todos. Para aumentar a velocidade o outro método realizado com a adição de peróxido de hidrogênio (água oxigenada 3 a 6%).

O terceiro método é o mais rápido, mas resulta na presença de sulfato no processo. O cloreto de cobre é obtido na reação entre o sulfato de cobre e o ácido clorídrico.

Para mais detalhes sobre as quantidades, concentrações e procedimentos assista o vídeo abaixo.

Vídeo COM legendas em português. Ative a exibição da legenda pelo YouTube.

Este tipo de experimento somente deve ser realizado por pessoas com conhecimento das técnicas e dos procedimentos de segurança necessários. Não faça isto em casa.

Acender um fósforo com ácido sulfúrico

O vídeo do canal NurdRage já inicia com um aviso! Esta demonstração lida com ácidos e líquidos inflamáveis. O experimento somente deve ser repetido em condições totalmente seguras e com uso de equipamento de proteção individual adequado.

Os fósforos que normalmente encontramos em supermercados não contém o elemento fósforo na ‘cabeça’, e em alguns casos o fósforo está presente na lixa da caixa; e mesmo assim em pequena quantidade.

A demonstração é simples. É possível acender um fósforo mergulhando ligeiramente em ácido sulfúrico concentrado.

O segredo é não molhar muito o palito, usar ácido sulfúrico concentrado e imergir a cabeça dos palitos rapidamente em acetona para remover possível camada protetora.

Qual é a utilidade deste experimento? Talvez demonstrar o quão exotérmica é a reação do ácido sulfúrico com o clorato de potássio presente no fósforo.

Vídeo com legenda em português. Ative a legenda pelo YouTube.

Legenda e texto escritos por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ) – Universidade Federal do Pampa – Licenciatura em Química.

Como fazer uma pilha AA?

como fazer uma bateria caseira
O NurdRage ensina como fazer uma pilha AA (alcalina); e logo no início do vídeo já avisa que é muito mais barato comprar uma pilha pronta. A demonstração tem como objetivo explorar a ciência do procedimento.

Material necessário:
– seringa de plástico de 5mL (para o envoltório da pilha)
– zinco metálico (em folha)
– 50mL de água
– 30g de hidróxido de potássio
– 8g de dióxido de manganês
– 3g de carbono em pó
– papel filtro
– 7cm de grafite grosso

A pilha resultante deveria chegar em 1,5V de tensão, mas o NurdRage obteve em torno de 1,41V – o que não é um resultado tão ruim se considerarmos a técnica artesanal utilizada.

Vídeo com legenda em português.

Legenda e texto escritos por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna – Universidade Federal do Pampa.

Outros textos:
Pilhas e cervejas no Mythbusters
Reação de dióxido de manganês com peróxido de hidrogênio

Termita com óxido de cromo

reação química de óxido de cromo com alumínio
A clássica reação termita é feita com pó de alumínio e óxido de ferro.

No vídeo abaixo o canal NurdRage mostra a possibilidade de se fazer uma reação termita usando óxido de cromo.

A proporção escolhida pelo NurdRage foi de 14:5. Ou seja, 14 partes de óxido de cromo para 5 partes de alumínio em pó.

Vídeo tem legenda em português. Ative pelo YouTube.

Um esquema da reação.
Cr2O3 + 2 Al –> 2 Cr + Al2O3

A conclusão foi que este tipo de reação não produz tanto calor quanto a termita tradicional.

Atenção! A termita é uma reação que produz uma enorme quantidade de calor. Este tipo de reação só deve ser feita com uso de equipamento de proteção, por pessoas com conhecimento técnico adequado e em local seguro. Além disso este tipo de procedimento pode ser considerado suspeito e com potencial criminoso.

Legenda e texto escritor por Prof. Dr. Luís Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com).

Como fazer fenolftaleína (um indicador de pH)

método de síntese da fenolftaleína
A fenolftaleína é muito utilizada como um indicador de pH.

cores da fenolftaleina fonte wikipedia

No vídeo abaixo o ‘NileRed’ mostra como preparou a fenolftaleína partindo dos seguintes reagentes:
– 2 g de fenol
– 1,5 g de anidrido ftálico
– aproximadamente 50 mL de diclorometano
– algumas gotas de ácido sulfúrico concentrado
– 5 mL de NaOH 2 mol.L-1
– 100 mL de ácido clorídrico 2 mol.L-1

Vídeo com legenda em português. Clique e veja como ativar a exibição.

Cuidado! A fenolftaleína era utilizada como um laxante. Ingestão acidental pode ser perigosa. Atualmente a substância está aos poucos sendo removida dos medicamentos por ser considerado cancerígeno.

Uma observação importante é que o canal NileRed realiza procedimentos simplificados e não necessariamente os mais eficazes. O foco é em fazer uma química mais amadora e com ênfase na facilidade em realizar o experimento com as condições disponíveis no laboratório dele.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Brudna ( luisbrudna@gmail.com ). Legenda traduzida por Prof. Dr. Luís Brudna e Larissa Gomes.

Obtendo benzaldeído do óleo de amêndoas amargas

procedimento com funil de separção
O canal NileRed mostra no vídeo abaixo como é fácil se obter o benzaldeído partindo de óleo de amêndoas amargas.
estrutura do benzaldeído

O benzaldeído tende a reagir facilmente com o oxigênio no ar resultando em ácido benzóico, portanto mantenha o reagente vedado para evitar a degradação. A remoção dos resíduos de ácido benzóico foram feitas com a adição ao benzaldeído de um pouco de bicarbonato de sódio dissolvido em água. Isso faz com que o ácido benzóico forme benzoato de sódio que se dissolve na água.

Os detalhes de quantidade e do procedimento podem ser vistos no vídeo abaixo.

Vídeo com legenda em português. Veja aqui como ativar a exibição.

Tome cuidado ao realizar qualquer compra de reagentes químicos, em algumas situações pode ser ilegal adquirir um reagente para uso não autorizado – principalmente porque o benzaldeído pode ser utilizado como um precursor na síntese de algum composto ilegal.

O procedimento aqui descrito somente deve ser seguido por pessoas com conhecimento técnico adequado e que façam uso de equipamentos de segurança necessários.

Legenda e texto escritos por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ).