Cheiro de espaço


Quais são os odores que os astronautas sentem quando estão em uma missão espacial? Principalmente quando usam um traje e estão fora da nave para algum reparo.

A NASA solicitou ao químico Steven Pearce e sua equipe para que recriassem o conjunto de odores. O objetivo desta tarefa é facilitar a aclimatação de astronautas que estão em treinamento na Terra, para que eles possam sentir uma experiência mais próxima do real.

Para poder recriar algo parecido Steven Pearce iniciou uma série de entrevistas com astronautas experientes e os relatos que ouviu descrevem um cheiro que varia entre bife frito e metal quente! Um chegou a descrever que o odor é semelhate ao de solda de uma motocicleta.

Steven Pearce afirma que já conseguiu reproduzir o odor de bife frito, mas ainda não obteve bons resultados para o odor de metal quente.

Pearce foi visitar o Moorside High School, em Manchester para discutir o projeto, como parte do Manchester Science Festival.

Os odores da exploração especial não são novidades, nas viagens até a Lua os astronautas relataram que sentiram um cheiro semelhante ao da pólvora quando retornaram ao módulo lunar.

Adaptado de “What does outer space smell like?”

Lítio – reage com nitrogênio

mão segurando um pouco do elemento lítio
O lítio está no topo do grupo dos metais alcalinos na tabela periódica, é muito reativo e tem utilidade na química orgânica para ativar a formação de ligações carbono-carbono.

Se o metal for deixado em contato com o ar, ocorre uma reação com o nitrogênio formando uma camada escura sobre o material, que é composta de nitreto de lítio.

É um metal muito leve e reage com água.

O lítio tem diversas aplicações, uma delas é no tratamento de desordem bipolar.

O vídeo está legendado em português. Para ver a legenda, clique no PLAY e depois ative a legenda clicando no botão no inferior direito e selecione “Ativar Legendas >> Português”.
Assista mais vídeos traduzidos em
https://www.youtube.com/view_play_list?p=BFA8BBE552D8FF65

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ) – Universidade Federal do Pampa – Bagé.

Flúor – paranóia quase contagiosa

As paranóias são um pouco contagiosas. Se alguém te conta uma história estranha e cheia de elementos de conspiração, existe uma grande chance de você acreditar ou pelo menos ficar na dúvida sobre a veracidade, com aquela ´coceirinha´ para espalhar aquele grande segredo da conspiração mundial para que todos saibam sobre a tal verdade oculta… mesmo que seja tudo isso falso.

Vamos ver… bananas causam câncer de cotovelo! Você certamente está rindo da minha cara, mas e se a história inventada for mais estranha e cheia de detalhes obscuros?! É certo  que neste caso existe uma chance maior de acreditar que existe algo de verdade, mesmo sendo, no fundo, tão absurda quanto as bananas cancerígenas.

Aqui é que entra o perigo de tudo. E se eu te contar que algumas pessoas acreditam que o flúor adicionado na água é na verdade uma tentativa dos governos de facilitar a dominação sobre a população? Algum tipo de conspiração comunista sobre a população, para facilitar a manipulação das crianças, que se tornam fracas e mentalmente indefesas à doutrinação. Bom, espero que você não fique com a coceirinha de acreditar nesta história, pois é uma paranóia tipicamente americana, e não seria interessante importar este absurdo para a nossa cultura.

Fique tranquilo. Os níveis de flúor na água são seguros e adequados para se diminuir a incidência de cáries na população.

A fluoretação da água no Brasil teve seu início em 1985. O teor de flúor na água é definido de acordo com as condições climáticas (temperatura) de cada região, em função do consumo médio diário de água por pessoa. Para o estado de São Paulo o teor ideal de flúor é de 0,7 mg/l (miligramas por litro) podendo variar entre 0,6 a 0,8 mg/l. (Fonte: Sabesp)

Veja também
Vídeo com propriedades do elemento flúor

Bismuto – quase radioativo

mãos segurando bismuto
O bismuto pode gerar ´cristais´ bem bonitos e brilhantes se for aquecido e resfriado com cuidado. Existem receitas pela internet de como realizar esta tarefa.

O bismuto é o elemento ´mais pesado´ na tabela periódica sem ser radioativo. Bem, ele emite partículas alfa, mas a emissão é tão lenta que se pode considerar que ele não é radioativo.

Com o bismuto você consegue a liga metálica chamada Metal de Wood, que funde em água fervente.

O bismuto também é utilizado em catálise, para propiciar reações mais seletivas.

O vídeo está legendado em português. Para ver a legenda ative clicando no botão no inferior direito e selecione “Ativar Legendas >> Português”.
Assista mais vídeos traduzidos em
http://www.youtube.com/view_play_list?p=BFA8BBE552D8FF65

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ) – Universidade Federal do Pampa – Bagé.

Tântalo – Capacitores para celular

dedo apontanto para a amostra
O Tântalo se tornou mais importante nos últimos anos, isto porque é usado para fazer capacitores para telefones celulares. É possível construir capacitores muito pequenos e eficientes com tântalo.

O vídeo está legendado em português. Para ver a legenda ative clicando no botão no inferior direito e selecione “Ativar Legendas >> Português”.
Assista mais vídeos traduzidos em
http://www.youtube.com/view_play_list?p=BFA8BBE552D8FF65

Ciência de garagem

garagem da hp No passado a venda de kits de química era comum, e a facilidade com que era possível obter os reagentes era algo quase inacreditável.

No entanto, em uma era de paranóia com atentados terroristas, a atividade de químicos e físicos amadores tornou-se cada vez mais desafiadora.

O físico Robert Scott Lazar é um dos que resistem na atividade da ciência amadora. E ele vai ainda mais longe mantendo uma empresa, a United Nuclear Scientific Supplies, que vende produtos e quipamentos para atividades de “ciência caseira”.

No site da United Nuclear é possível encontrar desde dicromato de amônio (usado no clássico vulcão de dicromato) até pó de óxido de zinco (usado para absorver luz ultravioleta), passando pelos perigosos (aqui está o problema) sódio, mercúrio e minerais radioativos!

Em junho de 2003 a atividade de Lazar foi alvo de uma investigação realizada por agentes federais que investigavam a venda de material que poderia ser utilizado para a produção de explosivos e fogos de artifício, que é de rígido controle nos EUA (e no Brasil também).

tio-tungstenio-capa Importantes cientistas em empresários algum dia já fizeram parte do clube dos cientistas de garagem. A lista inclui Gordon Moore, cofundador da Intel, Vint Cerf, o pai da internet, David Packard, confundador da Hewlett-Packard, Oliver Sacks, neurologista que escreveu o livro “Tio Tungstênio – Memórias de uma infância química”, sobre as suas experiências na área.

Em alguns estados americanos o cerco é apertado, no Texas é proibido comprar um erlenmeyer ou um balão de três bocas, por exemplo, sem estar registrado no Department of Public Safety e declarar que o aparato não será utilizado para sintetizar drogas.

É claro que alguns indivíduos abusaram da liberdade que existia em adquirir produtos perigosos para experiências caseiras. Entre os diversos episódios um ganha destaque, o do ´Escoteiro Radioativo´.

Do blog 100Nexos:
“Com apenas dezessete anos, David Hahn criou um reator nuclear em um barraco nos fundos da casa de sua mãe. Fascinado por ciência desde criança, Hahn quis possuir amostras de todos os elementos da tabela periódica — incluindo os radioativos.
Trabalhando em segredo, o escoteiro utilizou materiais domésticos e coletou elementos radioativos disponíveis em pequeníssimas quantidades em diversos aparelhos inócuos — indo de detectores de fumaça a relógios. Mas assim como você pode fazer uma bomba com cabeças de palitos de fósforo, também pode construir um reator nuclear para gerar elementos radioativos cada vez mais pesados a partir de quantidades menores acumuladas de muitas fontes.”

Continue lendo

Texto adaptado de ´Don´t try this at home´