Novo estudo científico sugere taxa de acidificação dos oceanos sem paralelo nos últimos 300 milhões de anos.

Os oceanos do mundo podem estar se acidificando 10 vezes mais rápido do que em qualquer momento durante os últimos 300 milhões de anos, de acordo com novas pesquisas. E se a história geológica serve de referência, isso é uma má notícia para as espécies marinhas.

Os oceanos podem absorver o excesso de dióxido de carbono da atmosfera. Um efeito colateral é que a água do mar, que é naturalmente ligeiramente alcalina, torna-se menos alcalina e mais ácida – um processo chamado acidificação do oceano.

Os cientistas estão preocupados até mesmo com pequenas mudanças na acidez do oceano, pois isso pode afetar a forma como as criaturas marinhas desenvolvem suas conchas, o que pode ser crucial para sua sobrevivência.

Neste novo estudo, publicado na revista Science, os pesquisadores procuraram evidências de acidificação dos oceanos no passado, investigando através de centenas de estudos existentes sobre oceanos ao longo da história geológica.

Eles descobriram que nos últimos 300 milhões de anos a acidificação dos oceanos nunca aconteceu tão rápido como está acontecendo agora.

O único período que se aproxima das atuais taxas de acidificação é o Máximo Térmico Paleo-Eoceno (PETM), um período turbulento da história do clima há cerca de 56 milhões de anos, quando grandes quantidades de carbono foram naturalmente liberadas na atmosfera ao longo de algumas dezenas de milhares de anos. Na época, as mudanças no clima e no oceano foram acompanhadas pela extinção de muitas espécies marinhas.

Ao longo do século passado, os níveis de dióxido de carbono na atmosfera aumentaram quase um terço. Os oceanos atualmente absorvem cerca de um quarto do dióxido de carbono atualmente liberado pela atividade humana.

Isso fez com que o pH da água do mar (uma medida de acidez – pH mais baixo significa mais ácido) diminuísse em 0,1. Isso é cerca de 10 vezes mais rápido do que a acidificação durante o PETM.

Os cientistas também sugerem que estamos liberando carbono muito mais rápido do que o carbono foi liberado durante o PETM. O coautor do estudo, Professor Andy Ridgwell, da Universidade de Bristol, diz:

“O registro geológico sugere que a acidificação atual é potencialmente sem paralelo em pelo menos 300 milhões de anos de história da Terra e levanta a possibilidade de estarmos entrando em um território desconhecido de mudança do ecossistema marinho. ”

Uma vez que as projeções dos modelos climáticos sugerem que a acidificação dos oceanos pode se tornar mais severa no final do século, é improvável que qualquer mudança passada na acidificação possa corresponder ao que veremos no futuro. Ridgewell diz:

“Embora existam semelhanças, nada nos últimos 300 milhões de anos se compara às taxas de projeções futuras em termos de interrupção da química do carbonato do oceano – uma consequência da rapidez sem precedentes da liberação de CO2 que ocorre atualmente.”

Essa taxa de mudança sem precedentes na química da água do mar pode afetar algumas espécies marinhas importantes. O professor Bärbel Hönisch, paleoceanógrafo do Observatório Terrestre Lamont-Doherty da Universidade de Columbia e principal autor do estudo explica:

“O que estamos fazendo hoje realmente se destaca. Sabemos que a vida durante os eventos anteriores de acidificação dos oceanos não foi eliminada – novas espécies evoluíram para substituir aquelas que morreram. Mas se as emissões industriais de carbono continuarem no ritmo atual, podemos perder organismos com os quais nos preocupamos – recifes de coral, ostras, salmão. ”

As conclusões alcançadas nesta pesquisa ecoam as descobertas de um estudo recente combinando observações com modelagem de computador que também rotulou as mudanças de acidez oceânicas causadas pelo homem como ‘sem precedentes’.

O vídeo abaixo mostra como a acidez do oceano mudou desde a revolução industrial e como se projeta que ela mudará no futuro:

A animação (vídeo acima) mostra como a saturação de aragonita (uma medida da acidez do oceano) na superfície do oceano deve diminuir no final do século 21, à medida que o acúmulo de dióxido de carbono produzido pelo homem na atmosfera continua a aumentar. Fonte: Tobias Friedrich, SOEST Hawaii.


Texto traduzido por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle – Universidade Federal do Pampa (Bagé) – Curso Química Licenciatura.

Texto original em: New scientific study suggests ocean acidification rate unparalleled over last 300m years (CarbonBrief.Org)

Estudo de emissões de metano em grandes cidades

O metano é um potente gás de efeito estufa e pode ser liberado por fontes humanas e naturais. As grandes cidades emitem quantidades significativas de metano, mas em muitos casos as fontes exatas de emissão são desconhecidas. As principais fontes de emissões de metano nas cidades podem incluir sistemas de aquecimento, aterros, águas residuais e transporte rodoviário. Mapear e quantificar precisamente essas fontes para uma cidade específica pode ajudar a reduzir as emissões de metano.

Sara M. Defratyka, da Université Paris Saclay, Gif-sur-Yvette, França, e colegas realizaram medições móveis de metano e suas fontes, em toda Paris. Os pesquisadores realizaram pesquisas no nível da rua durante 17 dias em Paris de setembro de 2018 a março de 2019. A equipe usou instrumentos montados em carros usando espectroscopia por cavidade ressonante tipo ring-down (cavity ring-down spectroscopy, CRDS), com entradas de ar situadas no teto do carro e em equipamentos portáteis para medições em caminhadas para detectar metano e suas prováveis ​​fontes com base na composição isotópica do metano. A equipe cobriu 30% de toda a malha rodoviária de Paris.

Um total de 90 vazamentos potenciais de metano foram detectados em Paris. 63% desses vazamentos vieram de redes de distribuição de gás natural, 33% de redes de esgoto e 4% de fornos de aquecimento de edifícios. Com base em suas descobertas, os pesquisadores estimam que a taxa total de emissão de metano em Paris é de pelo menos 190 toneladas por ano. O número real é provavelmente mais alto porque o método não relata fontes móveis de metano do transporte rodoviário, como os ônibus que usam gás natural ou biogás como combustível. As descobertas da equipe sugerem que a rede de distribuição de gás natural, o sistema de esgoto e os fornos podem ser alvos promissores para os esforços de redução do metano.

Mapping Urban Methane Sources in Paris, France,
Sara M. Defratyka, Jean-Daniel Paris, Camille Yver-Kwok, Julianne M. Fernandez, Piotr Korben, Philippe Bousquet,
Environ. Sci. Technol. 2021.
https://doi.org/10.1021/acs.est.1c00859

Texto traduzido por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( [email protected] ). A tradução do original ‘Methane Emissions in Large Cities Studied’ foi gentilmente autorizada pelos detentores dos direitos (Wiley-VCH GmbH – ChemistryViews.org).

Content translated with permission, but portuguese text not reviewed by the original author. Please do not distribute beyond this site without permission. Conteúdo traduzido com permissão, mas o texto em português não foi revisado pelo autor do original. Por favor, não distribua o conteúdo sem permissão.

Autor: ChemistryViews.org
Publicado: 25 junho 2021
Copyright: Wiley-VCH GmbH
Fonte/ Editor: Environmental Science & Technology/ACS Publications
Associated Societies: American Chemical Society (ACS), USA


Dica de leitura:

Explosão do metano em câmera lenta

Metano – sem cheiro

Síntese do ácido cinâmico

Desta vez o canal NileRed demonstra como realizar a síntese do ácido cinâmico – uma substância bastante utilizada como aromatizante e na indústria farmacêutica.

Mais especificamente, o método demonstrado é focado na obtenção da forma trans do ácido cinâmico.

Os reagentes utilizados:
– 50mL de piridina
– 25 g de ácido malônico
– 10 mL de benzaldeído
– 2 g de (beta)-alanina
– 150 mL de ácido clorídrico 6M

A vidraria, detalhes do procedimento e reações envolvidas podem ser vistos no vídeo abaixo. O rendimento dito foi em torno de 87%.

Vídeo com legenda em português.

Não realize estes experimentos em local sem os equipamentos de segurança adequados. Tenha cuidado!


Texto e legenda escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle [email protected] Química (Licenciatura) – Universidade Federal do Pampa.

Atropina, veratridina e ácido fórmico

https://www.instagram.com/p/CMnMAH5LYl9/

Já que falamos tanto de venenos e armas químicas, seria bom também ter alguma forma de tratamento para essas agressões. Uma dessas substâncias é a atropina – usada em alguns casos de envenenamento por pesticidas ou agentes nervosos. Sendo que a estratégia do tratamento vai depender da substância intoxicante, da severidade do caso e do tempo disponível para agir.
Na natureza a atropina pode ser encontrada em plantas popularmente conhecidas, como por exemplo, na mandrágora, beladona ou trombeteira; que são bastante tóxicas. Então a diferença entre uma substância ser um veneno ou um medicamento quase sempre está na dose.


https://www.instagram.com/p/CMR0ecHrYX1/

A veratridina (ou veratrina) é uma substância tóxica que pode ser encontrada nas plantas do gênero Veratrum.
A literatura científica relata envenenamentos por causa da veratridina presente nestas plantas. Antigamente os casos eram mais comuns, pelo uso de extratos de Veratrum na formulação de pesticidas e em medicamentos para tratamento de hipertensão.
Recentemente o descuido de um um casal de excursionistas resultou na ingestão por engano do bulbo da planta Veratrum parviflorum; pensando que era a espécie Allium tricoccum. Por sorte a ingestão não foi fatal. 


https://www.instagram.com/p/CMhX5pfrkOW/

Desde a antiguidade já se sabia que alguns ninhos de formiga exalavam um odor ácido. E em 1671, o naturalista inglês John Ray, conseguiu obter o ácido fórmico por meio de uma destilação de um grande número de formigas. O nome da substância tem origem no latim, formica, que significa formiga.
Se você colocar uma flor de chicória perto de um ninho de formigas, que atacam inimigos com ácido fórmico, verá que as pétalas mudam de cor por causa da acidez, passando do azul para o vermelho.
Algumas espécies de pássaros irritam formigas para que o ácido fórmico produzido ajude a eliminar parasitas nas penas. 

Para ver mais siga nosso Instagram em https://www.instagram.com/ligacaoquimica/

Gossipol, bedaquilina e imidacloprida

https://www.instagram.com/p/CLAtjf5o6tX/

O gossipol é uma substância que aparece naturalmente na semente do algodão. A planta produz como uma forma de defesa contra insetos. É tóxico para humanos e nos homens causa a diminuição da contagem de espermatozoides. Chegando até a ser pesquisada como um possível contraceptivo masculino. Com o revés de ser um método que pode causar esterilidade permanente.
Pesquisadores estão perto de desenvolver uma variedade de algodão que não tenha gossipol; permitindo que esta seja usada na alimentação de animais e na fabricação de óleo que não necessite de elaborados processos de refino.


https://www.instagram.com/p/CK7Zl8DF0P1/

A bedaquilina é um dos desenvolvimentos mais recentes no tratamento da tuberculose. Sendo reservado especialmente para casos da doença que são resistentes a outros tipos de terapia.
O medicamento deve ser utilizado com cuidado, principalmente por afetar o coração e fígado – demandando acompanhamento cuidadoso do paciente. O uso da bedaquilina foi aprovado nos EUA em 2012 pelo FDA e no Brasil pela Anvisa em fevereiro de 2019.
A organização ‘Médicos sem fronteiras’ apoia uma luta de contestação da patente da bedaquilina na Índia. Em uma tentativa de ampliar o acesso ao medicamento. 


https://www.instagram.com/p/CLm5OSnFqnz/

A imidacloprida é um inseticida que faz parte de um grupo de compostos batizados de neonicotinóides. Essa denominação se deve a uma semelhança com a nicotina. Os neonicotinóides foram desenvolvidos no início da década de 90 para se buscar a função inseticida da nicotina, com menores níveis de toxicidade para os mamíferos. Mas, temos um problema! A imidacloprida é extremamente tóxica para as abelhas. Recentemente a União Europeia decidiu pelo banimento do uso de alguns neocotinóides, incluindo a imidacloprida. Com a infeliz inclusão de vários pedidos de ‘uso emergencial’.

Alicina, benzaldeído e propofol

Fonte: https://www.instagram.com/p/CB6Boprj5CJ/

Você já percebeu que o característico cheiro forte do alho só aparece quando os dentes são cortados?
Isso ocorre porque a alicina, responsável pelo forte aroma, só é gerada quando algo fere a planta, causando a mistura e reação entre a aliina e a aliinase.
Uma curiosidade é que quando o dirigível Hindenburg foi enchido com gás hidrogênio, também usaram alhos esmagados para alertar a equipe de possíveis vazamentos do gás inflamável. Infelizmente a estratégia não teve sucesso, e uma faísca causou a explosão do dirigível em 6 de maio de 1937 – resultando na morte de 36 pessoas. 


Fonte: https://www.instagram.com/p/CK1TaEYL48T/

Benzaldeído no óleo de amêndoas amargas, cerejas marrasquino e no aroma do café! Atualmente o composto é sintetizado artificialmente e utilizado na indústria de alimentos – em bolos e biscoitos – como uma forma de imitar o aroma de amêndoas.
Uma pequena quantidade de benzaldeído também aparece no hálito humano. Sendo isto objeto de estudos como uma possível forma de detectar a presença de pessoas presas em desabamentos.
As abelhas tem aversão ao benzaldeído. Isso é utilizado por alguns apicultores como repelente temporário para facilitar o manejo das colméias.


Fonte: https://www.instagram.com/p/CKo9u5irRy-/

O propofol é um medicamento principalmente utilizado em procedimentos que demandam anestesia. A escolha ocorre por agir rapidamente e causar poucos efeitos colaterias – quando comparado com as alternativas. Por ser insolúvel em água o propofol é fabricado como uma emulsão oleosa em água, resultando na aparência de um líquido leitoso. A sua aparência e tendência em dificultar a lembrança de eventos durante a sedação, fizeram com que fosse apelidado de ‘Leite de Amnésia’.

Infelizmente o propofol foi provavelmente o responsável por uma overdose que resultou na morte do Michael Jackson, em 2009. 


Texto e legenda escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle [email protected] Química (Licenciatura) – Universidade Federal do Pampa.