Categoria: Vídeos

Elétrons solvatados

tubo de ensaio e garra
Dr Rob Stockman da Universidade de Nottingham, na Inglaterra, mostra algo incomum na química, a existência de elétrons solvatados.

A demonstração do efeito foi realizada utilizando uma mistura de amônia líquida com sódio metálico.

A cor com tons metálicos é um indicativo de que o processo está ocorrendo como esperado. Como a química tem seus caprichos, o Dr Rob Stockman tem um pouco de trabalho para conseguir fazer com que a reação ocorra como planejado.

Vídeo com legendas em português. Para ativar as legendas clique no botão CC que aparece no vídeo.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Carne de galinha em ácido fluorídrico

professor e coxa de galinha
Após dissolver o vidro de uma lâmpada incandescente, a equipe do Periodic Videos testa agora o poder do ácido fluorídrico em um pedaço de coxa de galinha.

A demonstração foi feita com a comparação do que poderia acontecer com a coxa de galinha quando colocada em ácido fluorídrico, em ácido clorídrico e ácido sulfúrico. Esta foi uma escolha proposital para se verificar se o efeito é devido ao H+ presente em todos os ácidos ou ao flúor presente no ácido fluorídrico.

Mais uma vez Neil, o técnico do laboratório, precisou usar uma série de equipamentos de proteção para manipular este temido ácido.

Não vou estragar a surpresa contando os resultados, mas posso adiantar que a aparência da coxa de galinha não ficou nada apetitosa após a imersão em ácidos.

Veja o resultado no vídeo abaixo, que possui legendas em português. Ative as legendas no botão CC que aparece no vídeo.

E assista também as conclusões do experimento com a demonstração do processo de neutralização dos ácidos em meio alcalino.

E o tradicional bônus de uma citação ao Breaking Bad

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Lâmpada em ácido fluorídrico

equipamento de proteção e alertas
O ácido fluorídrico (HF) é um dos ácidos mais temidos entre os químicos. Não propriamente pelo seu potencial de acidez, mas pela agressividade do flúor quando em contato com o corpo humano.
Uma pequena exposição pode até causar um ataque do coração. Além disso o ácido pode chegar ao osso e reagir com o cálcio. A dor é descrita como extrema e em um eventual acidente pode aparecer de 1 a até 24 horas após o contato.

Neil, o técnico de laboratório da Universidade de Nottingham, é a pessoa certa para demonstrar a potência desse ácido. Usando equipamentos de proteção e bem resguardado por um exaustor de vapores corrosivos, o técnico coloca uma lâmpada incandescente (ligada) dentro do ácido. A escolha da lâmpada é algo proposital, já que o HF consegue reagir com o vidro!

Veja o resultado do experimento no vídeo abaixo.
O vídeo possui legendas em português. Ative as legendas clicando no botão CC que aparece no vídeo.

Uma dúvida que pode surgir é que: “Se o ácido fluorídrico reage com vidro, como ele é guardado?!”. A resposta é simples. É possível guardar o ácido em um frasco plástico (polietileno*), pois o HF não ataca esse tipo de material.

Em breve mais vídeo sobre o HF!

Para os que lembraram da série Breaking Bad, indico o vídeo…

Mais?!
Tecido em ácido sulfúrico concentrado
Cheeseburger em ácido clorídrico

*Consulte um especialista e setor de segurança para verificar as especificações adequadas dos frascos para armazenamento do ácido fluorídrico.

Fedor da França… ou apenas mercaptanas

Martyn com jaleco vermelho explicando
Sir. Martyn Poliakoff conta que um pequeno vazamento ocorrido em uma unidade produtora de mercaptanas, em uma cidade francesa, causou pânico em moradores nas redondezas.
As mercaptanas, ou tióis (-SH) como os químicos preferem, são adicionadas ao gás de cozinha para dar cheiro forte ao produto. O gás de cozinha é naturalmente inodoro e vazamentos não seriam prontamente percebidos se não fossem adicionadas essas mercaptanas fedidas.
O ingleses, vizinhos da França, também sentiram o cheiro forte e os jornais britânicos aproveitaram para tirar um pouco de sarro ao comentar sobre o ‘fedor francês’.
O produto tem um cheiro tão forte que o Professor preferiu não abrir o pequeno frasco contendo 2-metil-propanotiol. Não faria diferença pois não conseguiríamos ter ideia do fedor pelo vídeo. 🙂
O exato motivo pelo qual os tióis tem esse cheiro tão forte ainda não é bem entendido. E Martyn comenta no vídeo sobre algumas das diferentes teorias existentes para este fato.

O vídeo possui legendas em português. Ative usando o botão CC que aparece ao iniciar o vídeo.

E ainda mais fedorento que os compostos contendo grupos -SH (tióis) temos as substâncias que contém telúrio em sua composição. Veja mais sobre isso no texto ‘Bafo de telúrio’.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Neve falsa

Professor segurando uma corrente metálica
O polímero poliacrilato de sódio absorve água muito facilmente e o Professor Martyn Poliakoff utiliza um pouco desse material em pó para brincar de fazer algo que ele chamou de ‘neve falsa’.

No vídeo abaixo é visível que a absorção da água ocorre de forma muito rápida e com uma liberação de um pouco de calor, segundo o Professor Martyn. Seguida da explicação do motivo pelo qual o polímero consegue absorver tanta água tão rapidamente.
Com legendas em português. Ative as legendas usando o botão CC que aparece no vídeo.

Já fiz alguns testes com essas fraldas super absorventes. Não fiz de uma forma controlada e precisa (peço desculpas ao pessoal da química analítica 😉 ), mas posso dizer que uma dessas fraldas pequenas consegue absorver em torno de 900 ml de água. Claro que não seria nada confortável ter em contato com a pele uma fralda assim encharcada. Se você abrir uma fralda não encontrará o polímero poliacrilato de sódio puro, mas uma mistura dele com algodão.

No link abaixo veja um artigo que dá uma dica de um experimento com esse tipo de material
Polímeros superabsorventes e as fraldas descartáveis: Um material alternativo para o ensino de polímeros

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Explosão do metano em câmera lenta

chama da explosão de metano e oxigênio
Neil, o técnico de laboratório, demonstra o que ocorre durante a queima de uma mistura de metano e oxigênio. ¬¬ Claro que ocorre uma explosão!
A queima da mistura metano e oxigênio é muito rápida; tanto que mesmo uma câmera especial quase não consegue captar os detalhes da reação.
Em comparação a queima de metano puro é bem mais lenta. Isso ocorre porque o metano puro precisa encontrar oxigênio do ar para continuar a reação, diminuindo um pouco a intensidade da explosão.
E… não tente isso em casa!
Vídeo com legendas em português. Ative pelo player do YouTube.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.