Categoria: Ambiental

Bactéria que transforma CO2 em combustível

Conforme o tempo passa aumentam os esforços para combater o aquecimento global e a grande quantia de dióxido de carbono, a mais nova notícia é de uma bactéria que foi modifica para transformar o dióxido de carbono diretamente em combustível, o isobutiraldeído composto que pode ser reaproveitado.

Podemos fazer uma comparação entre dois métodos o deste artigo e o do anterior postado, um método de síntese (artigo já abordado neste blog) ou um método mais biológico, embora os dois sejam interessantes nenhum é de aplicação tecnológica imediata e de fácil realização, então esperamos por métodos mais eficazes.

Para saber mais leia o artigo em inglês.

Texto de Dison Franco.

Novo catalisador converte resíduos de CO2 e material útil

A redução de emissões de CO2 na indústria é uma meta constante no desenvolvimento científico e tecnológico.

Um importante avanço foi feito em pesquisas realizadas na Universidade Newcastle, na Inglaterra, na qual desenvolveram uma forma mais aprimorada de transformar o dióxido de carbono (CO2) em material útil para a indústria química.

O avanço garantido nesta pesquisa ficou por conta de um novo catalisador que trabalha em temperaturas de 60oC e pressão atmosférica, que facilita uma reação entre epóxidos e CO2 para formar carbonatos cíclicos.

Este tipo de reação já existe a diversos anos, mas os catalisadores precisavam de dióxido de carbono muito puro, em altas pressões e temperaturas, o que dificultava o seu uso em condições onde normalmente se tem o CO2 como resíduo.

reacao catalisador carbonato dioxido

Os pesquisadores desenvolveram o catalisador bimetálico a base de alumínio de uma forma que garanta a efetividade da reação em condições brandas, e portanto de uso mais amplo na indústria.

Artigo original em:
ResearchBlogging.org
North, M., Villuendas, P., & Young, C. (2009). A Gas-Phase Flow Reactor for Ethylene Carbonate Synthesis from Waste Carbon Dioxide Chemistry – A European Journal DOI: 10.1002/chem.200902436

Extinção mineral

extinção dos elementos how long
A voracidade com que consumimos recursos também atinge a química.
A capacidade de mineração e exploração de certos elementos químicos pode atingir um limite muito mais cedo do que normalmente imaginamos.
Tecnologias, como por exemplo, dos monitores e televisões de LCD causaram um aumento da demanda pelo elemento Índio. Algumas fontes indicam que as atuais reservas de índio só garantiriam apenas 13 anos de consumo; e pior, se o mundo todo aumentar o consumo para metade da demanda existente nos EUA, o esgotamento seria atingido em apenas 4 anos!

É importante lembrar que nenhum elemento químico simplesmente some; o problema reside na facilidade de extração e mineração dos elementos. Quanto mais difícil é a obtenção, mais custos estarão envolvidos no processo.

As soluções são óbvias: aumentar a taxa de reciclagem, diminuir o consumo de matérias-primas estratégicas, substituição por elementos mais abundantes na natureza, etc. Mas será que conseguiremos atingir estas metas satisfatoriamente?

Velas na Hora do Planeta

Tentei participar da Hora do Planeta, mas não obtive muito sucesso em controlar o impulso de ligar alguma ou outra lâmpada (fluorescente) durante essa hora.
Fiquei um pouco decepcionado ao ver que algumas pessoas resolveram o ´problema´ da escuridão desta hora usando velas!
Opa! Velas poluem e não são nada eficientes!
Poluem? Mas quanto? Poluem mais do que uma lâmpada incandescente? Mais do que uma fluorescente compacta?
Velas são normalmente feitas de parafina, hidrocarbonetos de cadeia longa. Queimar uma vela significa emitir uma grande quantidade de carbono para a atmosfera.
Mas como quantificar e comparar as emissões de carbono resultantes de uma lâmpada acessa e uma vela?
É um cálculo relativamente complicado de se fazer, principalmente na quantidade de carbono emitido ao se usar uma hora uma lâmpada. O ponto vai depender de diversos fatores, incluindo o método de geração de energia, a eficiência de transporte nas linhas de transmissão, o tipo de lâmpada, etc.
Já no caso da vela a emissão de carbono pode ser neutra se a vela for de origem orgânica, como no caso de cera de abelha. Mas desconfio que em muitos casos a cera da vela será mesmo de origem de combustível fóssil.

O blog Physical Insights vez alguns cálculos e chegou ao resultado de uma maior emissão de carbono para as velas.
https://enochthered.wordpress.com/2008/03/31/earth-hour-candles-and-carbon/
Mas, novamente, ele fez diversas considerações sobre eficiências e luminosidade que podem não se aplicar em cada caso.

Alguém tem paciência para coletar todos os fatores envolvidos nestes cálculos e chegar a um resultado adequado para a realidade brasileira?

Resumindo, se deseja realizar um ato simbólico, evite as velas.

Michelle Bachelet, presidente do Chile, na noite da ´Hora do Planeta´.
bachelet velas planeta hora

Leia também
Química das velas – vídeo

Jornal de Energia Renovável e Sustentável

logotipo publicacao energias renovaveis
O Journal of Renewable and Sustainable Energy (JRSE) é uma publicação revisada por pares (peer-revied) que cobre todas as áreas relacionadas com energias renováveis e sustentáveis que se aplicam ao campo das ciências físicas e da engenharia.
A publicação será feita somente na web, garantindo uma rapidez no processo de aprovação de artigos.
O aspecto interdisciplinar da publicação garante uma ampla diversidade de tópicos a serem abordados.
A publicação incluirá os seguites assuntos:
– Bioenergia – bioreações e bioengenharia
– Energia geotérmica – geisers, bombas de calor e novos aparelhos.
– Energia marinha e hidroelétrica – ondas, marés e represas.
– Energia nuclear – fusão e fissão
– Energia solar – conversores de energia solar térmica e fotovoltáica
– Energia eólica – controles e sistemas de turbinas
– Conversão de energia – membranas de óxido sólido e trocadoras de prótons para células a combustível e novos aparelhos.
– Construções com eficiência energética – coversores solares térmicos e fotovoltáicos
– estocagem de energia – hidrogênio e baterias
– Distribuição de energia – transmissão convencional e por supercondutividade, flutuaçãop de carga e controle
– Recursos de energias renováveis
– Transporte – hidrogênio, bateriais, células a combstível, bioenergia e veículos.

Parece que a publicação de artigos apenas online também foi idealizada para poupar papel.
A editora do journal é a American Institute of Physics.
https://aip.scitation.org/journal/rse

Lítio – demanda crescente

carro chevy volt bateria

Corrida pela criação de novas tecnologias para agradar consumidores preocupados com o meio ambiente pode acabar trazendo alguns novos desafios para a indústria.

Um exemplo bem claro disso ocorre com a crescente indústria de baterias à base de lítio, que além do tradicional e gigantesco uso em celulares e notebooks, começa a ter importância estratégica na produção de carros híbridos e elétricos. O melhor desempenho das baterias de lítio, na armazenagem de carga e no menor peso, já fez com que, a General Motors, por exemplo planejasse usar baterias deste tipo em seus modelos Chevy Volt e Saturn Vue.

A demanda de lítio fez com que o preço do produto (uma commodity) aumentasse nos últimos anos. E já existem estrategistas preocupados com possíveis gargalos na obtenção do lítio. Por enquanto não existem problemas com a quantidade de lítio, mas sobre o controle dos locais nos quais ele se encontra em maior concentração e facilidade de extração.

A revista americana Forbes já lançou a carta, chamando o Chile de ´A Arábia Saudita do Lítio´, isto porque o serviço geológico americano alegou que o Salar de Atacama pode conter em torno de 27% das reservas de lítio do planeta, com presença ainda de importantes reservas no Salar de Uyuni na Bolívia e um salar no Tibet (China).

A troca de veículos movidos a gasolina por híbridos tem como argumentação a preservação do meio ambiente, e a pedra no sapato pode continuar com a extração de lítio destas reservas, acarretando mudanças na ecologia das reservas. Mas ainda é possível que essa troca seja, no final das contas, vantajosa.

Um das empresas que investe pesado em baterias de lítio é a A123 Systems que recentemente lançou uma nova linha de baterias com propriedades muito boas para diversas aplicações, e com demonstrações de performance ainda mais impressionantes, como o uso da tecnologia na moto elétrica mais rápida do mundo. No entanto a empresa não se manifesta sobre a questão do lítio.

moto eletrica a123

O assunto já fez com que despertasse a consciência para aposta em tecnologias que apresentam materiais abundantes, tais como níquel, zinco, magnésio, etc.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( [email protected] ) – Universidade Federal do Pampa – Bagé.