Autor: DisonFranco

Árvore de prata

experimento em química
Quando um fio de cobre é colocado em uma solução de nitrato de prata teremos como resultado um depósito de prata sobre este fio de cobre.
Seguindo a reação:
Cu(s) + 2AgNO3 –> Cu(NO3)2 + 2Ag(s)
E nesta temos um par redox.

Esta aparência rugosa ocorre devido aos inúmeros centros de crescimento e aglomeração da prata metálica sobre o fio de cobre.

Veja outras informações, e como repetir este experimento em
http://fap.if.usp.br/~lumini/f_bativ/f2expco/nitrato_sh.htm

Experimento visto do topo.
experimento natalino

Imagens em licença Creative Commons, via jaimittilo.

Com contribuição de Dison Franco.

Profissão química – Ciência web

logo do site ciencia na web
O Ciência na Web fala sobre diversos assuntos, como por exemplo, a química, física, educação, profissões, entre outros. Quem organiza são estudantes e professores da IEA/USP, e o principal objetivo é a difusão da ciência e da educação (de produção universitária) para estudantes do ensino médio e grupos acadêmicos, por meio da internet.

Visite o projeto em
http://www.cienciaweb.com.br [atualização em fevereiro de 2020: o website mudou de dono e atualmente aborda outros assuntos]

Texto de Dison Franco.

Hélio- 3

foto da Lua
O hélio-3, com seu nome estranho e fonte de curiosidade que aficciona, é nada mais do que um isótopo do hélio.
A aplicação promissora para um futuro (talvez distante) é em processos de fusão nuclear.

Primeiro, o que são os isótopos do hélio?
Para este elemento são conhecidos um total de oito isótopos, e destes somente o hélio-3 e o hélio-4 podem ser considerados estáveis.
Na atmosfera da Terra o He-4 é um milhão de vezes mais abundante queo He-3.
O núcleo destes hélio contém sempre 2 prótons, mas diferenciam-se pelo número de nêutrons. E neste caso o He-3 possui 1 nêutron, o He-4 possui 2 nêutrons, o He-5 tem 3 nêutrons, e assim por diante, até o estranho He-10, contendo 8 nêutrons.

E a fusão?
Bom, a fusão é a chave para a energia limpa (ou ´menos suja´) para alguns cientistas atualmente, a fusão nuclear pode ser entendida através do seguinte pensamento:
Junte dois átomos para formar outro com núcleo maior, com uma grande liberação de energia.
Tal processo é complicado e necessita de muita energia para ser iniciado, e ainda não é totalmente controlado para a geração contínua de energia na Terra, mas ocorre diariamente no Sol.

Mas existem os seguintes problemas, a ciência da fusão controlada e eficiente ainda esta engatilhando, o He-3 é escasso na terra, solução é a seguinte aperfeiçoar os estudos na fusão e extrair He-3 da Lua.
Da Lua? Exatamente o que você leu! A Lua possui grandes quantias de He-3. Mas neste caso trocaremos um problema por outro, como transportar grandes quantias de um elemento da Lua até a Terra? E a história da corrida tecnológica continua…

Texto escrito por Dison Franco.

Espionando átomos e moléculas

Conforme o tempo passa e os estudos na área de nanotecnologia aumentam, desperta a curiosidade cada vez maior de vislumbrar o átomo com perfeição, em ver o movimento, comportamento e características.
Em cada estudo publicado percebemos que estamos cada vez mais próximos de ter mais e mais informações sobre os átomos e moléculas, em sua intimidade.
Recentemente (este ano) foi fotografado o movimentos do átomos na reação de fotossíntese. Incrível! Mas como chegaram até este ponto? Simples. Por meio de um feixe de raios X “avançado” ( o segredo esta nesta palavra).
Aqui está a imagem:
raios x fotossintese

Já os microscópios de força atômica, são os responsáveis pela nova fronteira de identificação química dos compostos, com um rastreamento e identificação de alta precisão dos átomos presentes em uma amostra.
O resultado:
força atômica empregada na identificação de átomos em uma superfície

E a bela identificação do pentaceno, também por força atômica. Para mais detalhes sobre esta técnica, veja o texto neste blog – Retratos moleculares.

retrato molecular do pentaceno

Fontes:
http://www.rsc.org/chemistryworld/News/2009/August/27080902.asp
http://www.sciencedaily.com/releases/2010/05/100509202634.htm
http://www.rsc.org/chemistryworld/News/2007/February/28020702.asp

Texto de Dison Franco

Termita

A reação de termite é uma reação altamente exotérmica, que acontece quando um pó de metal é oxidado pelo óxido de outro metal, geralmente usado com alumínio como pó como metal necessário na mistura.

Incrivelmente sua temperatura pode atingir a marca de 2500 ºC (usando óxido de ferro III). Embora seja uma reação exotérmica, ela não começa sozinha, e precisa de uma energia de ignição, e esta normalmente não é atingida por simples métodos de aquecimento, preferindo-se métodos que empregam tochas de propano, fitas de magnésio, ou então usando outras reações químicas.

Dentre as suas aplicações no dia-a-dia, a termita é usada em processos de soldagem, principalmente de ferros de ferrovias. Já em aplicações militares, a termita encontra lugar em granadas de contenção e soldagem dos equipamentos inimigos. Devido a fato da termita ser de difícil ignição, as bombas incendiárias normalmente possuem uma composição específica, batizada de Thermate-TH3, sendo esta uma mistura de outros compostos que facilita a ignição da termita.

Devido ao elevado calor gerado na reação, a termita deve ser manuseada com muito cuidado. Não tente nenhum tipo de experimento sem uso de equipamento de proteção ou acompanhamento de alguém habilitado para esta tarefa.





Texto de Dison Franco.

Calor humano

pote com canudo
Para montar este experimento você vai precisar de:
– Frasco pequeno com tampa
– Martelo e prego (para furar a tampa)
– Canudinho
– Cola (ou outro material para vedar o espaço entre o canudinho e a tampa)
– Água com corante (para facilitar a visualização)

A ideia é simples. Basta colocar um pouco de água dentro do frasco e fechar. Após isto envolva o frasco com as mãos. Se as suas mãos estiverem quentes o ar dentro do frasco vai se expandir um pouco empurrando a água pelo canudinho. Lembre que o canudinho deve estar com a ponta inferior dentro da água que está no frasco.

Este fenômeno pode ser explicado pela equação de clapeyron (gás ideal). PV=nRT
Existe portanto uma proporcionalidade da temperatura com a pressão e volume.

Fonte:
http://fq-experimentos.blogspot.com/2008/04/calor-humano.html

Material obtido com a contribuição de Dison Franco.

Veja também:
Composição humana