Tag: tabela periódica

Cério – em fornos auto-limpantes

professor em mesa de trabalho explica química
O cério (Ce) é utilizado na composição de fornos auto-limpantes, para obter vidros de cor amarela e é também empregado em síntese orgênica.

Veja estas e outras informações no vídeo abaixo.

O vídeo tem legendas em português!

Composição humana

Uma interessante camiseta apresenta uma relação da porcentagem mássica dos elementos químicos presentes no corpo humano.
Analisando os números é possível perceber que para uma pessoa que pesa 70kg, o corpo teria uma massa de 43kg de oxigênio, 16kg de carbono, 7kg de hidrogênio, 1,8kg de nitrogênio, …
camiseta ingredientes elementos corpo humano

Veja mais algumas informações na Wikipedia
https://en.wikipedia.org/wiki/Chemical_makeup_of_the_human_body
https://en.wikipedia.org/wiki/Composition_of_the_human_body

Fonte Geekologie

Urânio – radioatividade e decaimento

Como a maioria já deve saber,  o urânio é um elemento radioativo. Isto é, possui capacidade de sofrer fissão nuclear. Para deixar mais claro sua principal função  é preciso entender alguns conceitos como:
*Radioatividade
*Decaimento

Radioatividade
Embora o decaimento e a radioatividade sejam aspectos diferentes a radioatividade tem uma ligação com decaimento. Um átomo ou composto radioativo é aquele tem a capacidade de emissão de radiação (nome dado para emissão de energia em forma de partículas ou ondas), no caso a radioatividade é parte da radiação relacionada a núcleos instáveis.

Decaimento
Decaimentos como já citados tem relação com a radioatividade, mas qual seria a relação? A relação é que a radioatividade é a emissão de partículas que acontecem devido ao decaimento. Mas o decaimento seria o quê? É a capacidade de alguns átomos (e seus isótopos) de perderem prótons, nêutrons, elétrons e raios gama.
A perda de prótons e nêutrons é denominado decaimento (alfa), a qual o átomo perde dois nêutrons e dois prótons, o núcleo de Hélio.
A perda de elétrons é denominada decaimento (beta) no qual o átomo perde apenas elétrons.
A emissão de raios gama ocorre com a reação dos elétrons e pósitrons (elétrons de carga positiva), assim causando a emissão de energia.
Existem também variações desses decaimentos como do decaimentos alfa apenas nêutrons ou do decaimento alfa com pósitrons também.

Aplicações do Urânio
Uma das principais aplicações é na produção de energia, pois a principal característica é que quando um átomo sofre decaimento ele libera energia, mas para acelerar o decaimento, o urânio é bombardeado com nêutrons que aceleram o processo, assim essa energia pode ser aproveitado para aquecer água, que posteriormente é usada para gerar energia elétrica.

uranio foto elemento

Texto de Dison Franco

Copernício – um novo elemento

Martyn Poliakoff
Devo desculpas pelo silêncio sobre a síntese de um novo elemento na tabela periódica, provisoriamente batizado de Copernício (Copernicium), em homenagem a Nicolau Copérnico.

O elemento, inicialmente pré-batizado de unúnbio (Ununbium), foi criado artificialmente em 9 de fevereiro de 1996 por uma equipe alemã chefiada por Peter Armbruster e Sigurd Hofmann. Esta síntese foi obtida pela união de átomo de zinco-70 com um átomo de chumbo-208, obtida pela aceleração de núcleos de zinco sobre um alvo de chumbo. Entrando assim na tabela com um número atômico de 112.

Mesmo tendo ocorrida em 1996, a síntese precisou passar por um processo de reconhecimento do resultado obtido e só obteve o selo de aprovação da IUPAC em 11 de junho de 2009.

Não podemos nos apressar em mudar todas as tabelas periódicas para o novo nome do elemento, pois a confirmação do batismo só será divulgada em janeiro de 2010. Como você pode perceber, tudo é feito da maneira mais critriosa possível, para evitar desentendimentos e erros de avaliação.

Uma das melhores maneiras para se manter atualizado sobre o elemento é acompanhar a página da Wikipedia.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Copern%C3%ADcio



(em breve vídeos com legendas em português)
Gostei da camiseta com uma tabela periódica que brilha no escuro!

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ) – Universidade Federal do Pampa – Bagé.