Estourando pipocas no vácuo

comparando copos com pipocas
Esse é o típico experimento feito por curiosidade. O que acontece se estourarmos pipocas em uma câmara na qual foi feita vácuo?

Cody fez o teste e comparou o volume do mesmo número de pipocas estouradas em pressão normal (atmosférica) com as feitas no vácuo (remoção do ar).

O resultado é que as pipocas estouradas no vácuo ficam maiores. Isso ocorre porque no vácuo os vapores internos da semente conseguem expandir mais na baixa pressão durante o estouro, gerando uma pipoca mais ‘fofinha’. E parece que a namorada do Cody gostou mais das estouradas no vácuo!

Legenda em português no vídeo. Veja aqui como ativar a exibição.

Lembre que vácuo não tem relação com ausência de gravidade. São duas coisas diferentes.

Legenda e texto escritos por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ).

Extração da cafeína de café

balão com cafeína
Já publicamos um texto/vídeo sobre a extração da cafeína de pílulas; agora é hora de extrair a cafeína diretamente do café.

molécula de cafeína

Dr Rob Stockman e Martyn Poliakoff, do canal Periodic Videos, mostram as propriedades, efeitos e como é feita a extração da cafeína em um laboratório.

Martyn lembra que a sala do café é um local importante na pesquisa científica, é lá que as discussões e ideias surgem.

Vídeo com legenda em português. Ative a legenda pelo vídeo do YouTube.

AVISO: Nunca faça uso da cafeína pura, a dosagem alta pode causar graves efeitos colaterais e até mesmo a morte.

Texto e legenda escritos por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ).

Quebrando uma ampola de CO2 em câmera lenta

luva apontando para ampola
Cody Don Reeder do canal Cody’s Lab conseguiu selar alguns gases em tubos de vidro. Agora a ideia dele é quebrar dois desses tubos que contém CO2 líquido e registrar em uma filmagem a 6000 quadros por segundo (gerando uma câmera lenta ao final).

A pressão dentro do tubo é de aproximadamente 68 atmosferas, com aproximadamente 2 gramas de gás carbônico (CO2). O rompimento do vidro nessas condições é algo perigoso, por isso o Cody usou luvas grossas e proteção no rosto para manipular a ampola.

Vídeo com legenda em português. Veja aqui como ativar a exibição.

Tradução do vídeo: Larissa Gomes e Luís Brudna
Texto: Luís Brudna (luisbrudna@gmail.com)

Síntese do peróxido de lítio (Li2O2)

pó amarelado em filtro
No vídeo abaixo – do canal NileRed – é mostrado um procedimento de como produzir peróxido de lítio (Li2O2).

A reatividade do Li2O2 com o gás carbônico faz como que o composto seja interessante para a remoção deste composto em certos ambientes. Com o benefício da liberação de oxigênio durante a reação!

2Li2O2 + 2CO2 → 2Li2CO3 + O2

A síntese foi feita utilizando os seguintes reagentes:
– 125mL de água oxigenada a 35% (H2O2)
– 50 gramas de LiOH

Os detalhes do procedimento podem ser vistos no vídeo.

O rendimento obtido foi de 25 gramas (52%); bastante abaixo dos 83% prometidos pelo procedimento original seguido pelo NileRed. No entanto um teste realizado com o produto deu positivo para a presença de peróxidos.

Vídeo com legenda em português. Veja como ativar a exibição.

Texto e legenda escritos por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ).

Um marca página com modelos atômicos

marca páginas impressos
Alex Sousa Venancio – do Instituto Federal de Boa Viagem – foi muito criativo com o seu marca página com os modelos atômicos (Dalton, Thomson, Rutherford-Bohr e Sommerfeld).
clique para baixar versão em pdfClique para baixar uma versão em PDF tamanho A4 para imprimir. A dica é utilizar um papel prateado com uma gramatura maior (60).

Ele gentilmente permitiu o compartilhamento de seu trabalho aqui no blog.
Sugestões para outros modelos de marca página podem ser enviadas pelo sistema de comentários nesta página (logo abaixo).

A verdadeira Serpente do Faraó

reação de decomposição
Um experimento muito interessante e fascinante é conhecido como ‘Serpente do Faraó’. Pela internet existem diversas demonstrações e algumas versões. Infelizmente o verdadeiro experimento da famosa ‘Serpente do faraó’ envolve materiais extremamente tóxicos com resíduos também muito tóxicos. A solução é apreciar a beleza em vídeos no Youtube! 😉

O canal NileRed mostra os procedimentos experimentais, e para isto ele utilizou:
– 4 gramas de tiocianato de potássio (KSCN)
– 0,3 mL de mercúrio (Hg)
– 15 mL de ácido nítrico concentrado (pelo menos 65%)

A demonstração da serpente é uma decomposição do tiocianato de mercúrio (II) [(Hg(SCN)2)] e envolve as seguintes reações:
2Hg(SCN)2 → 2HgS + CS2 + C3N4

O CS2 vai sofrer combustão
CS2 + 3O2 → CO2 + 2SO2

Parte do C3N4 que é a estrutura da ‘serpente’ irá se decompor
2C3N4 → 3(CN)2 + N2

E o HgS também pode reagir com o oxigênio
HgS + O2 → Hg + SO2

O vídeo tem legendas em português. Se não conseguir visualizar a legenda, clique aqui e veja como ativar.

Para os fascinados na beleza da reação o NileRed fez uma versão com um vídeo em qualidade 4k (alta definição).

a caveira avisou!

Jamais realize este experimento sem equipamento de proteção adequados – descuidos podem resultar em morte. Os resíduos devem ser descartados em local apropriado e com tratamento técnico específico. Não coloque no lixo comum. A dificuldade de se obter o ácido nítrico concentrado felizmente torna complicado para aventureiros descuidados tentarem repetir este experimento.

Uma forma um pouco mais segura de se fazer um experimento com um resultado semelhante foi ensinado pelo Iberê Thenório no Manual do Mundo.

Texto e legendas (do primeiro vídeo) escritos pro Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ).