Tag: índio

Índio – raro e útil

indio-guerra
Não estamos falando do índio pessoa, mas sim do índio o elemento aquele encontrado logo abaixo do gálio (gálio quase um galho), o índio é um metal com algumas propriedades interessantes, ele é um metal maleável, macio e raro (para variar, mais um metal raro), embora seja raro ele possui grandes aplicações nas demandas mundiais diárias, como por exemplo, em telas de televisões de plasma. Outras são em baterias, semi-contudores, transistores, espelhos, e uma aplicação que hoje não é usada, no revestimento de rolamentos de aviões na Segunda Guerra Mundial.

Nas televisões de plasmas ele é disposto sobre a superfície do vidro na forma de ITO (indium tin-dopped oxide, no português oxido de índio dopado com estanho) é uma solução sólida de In2O3 e de SnO2, cuja principal característica é a de transparência e condutividade elétrica, além das tv”s de plasma ele é usado na maioria dos displays de celulares comuns ou os mais recentes “touchscreen”

texto de Dison Franco

Imitando as sibas

siba muda de cor
As sibas (chocos ou cuttlefish) são mestres na geração de belos padrões de mudança de cor, consegue fazer isto com uma rapidez quase hipnotizante. Pensando nisso, os pesquisadores, Joseph J. Walish, Youngjong Kang, Rafal A. Mickiewicz e Edwin L. Thomas, resolveram procurar um meio de imitar esta impressionante habilidade.

As sibas conseguem as variações de cor com o controle da absorção, reflexão e mudança da textura superficial, o que resulta em uma manipulação da luz – sendo este um dos objetivos procurados em tecnologias modernas.

A imitação do processo foi feita com o uso de camadas de poliestireno e poli(2-vinilpiridina) (PS-P2VP), ensanduichadas entre placas de eletrodos condutores transparentes de óxidos de índio estanho (ITO), com um eletrólito de 2,2,2-trifluoroetanol.

Em estado normal, o sistema exibe uma coloração avermelhada, ao se impor um potencial de 5V a cor passa para verde, em aproximadamente 5 segundos, e ao se deslocar para um potencial de 10V uma cor azul-esverdeada começa a surgir.

Até o momento esta tecnologia permite somente visualização das cores quando em presença de uma fonte externa de luz, ou seja, não existe emissão de luminosidade. Isto pode ser um ponto positivo em certos tipos de aplicações.

A pequena espessura dos filmes empregados, a baixa tensão necessária e alta refletividade desta combinação simples de polímeros, mostram-se promissores em aplicações em displays estáticos e/ou dinâmicos.

ResearchBlogging.org

Walish, J., Kang, Y., Mickiewicz, R., & Thomas, E. (2009). Bioinspired Electrochemically Tunable Block Copolymer Full Color Pixels Advanced Materials DOI: 10.1002/adma.200900067

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Índio – macio e em catálise

exibindo amostra de índio
O índio é um metal muito macio e funde em aproximadamente 150 oC.
Pode ser utilizado em alguns tipos de catálise seletiva.
É um elemento muito importante, pois seu óxido é transparente e conduz eletricidade, o que pode ser útil em aplicações tecnológicas.

Veja estas e outras informações no vídeo abaixo.

Vídeo com legendas em português.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Extinção mineral

extinção dos elementos how long
A voracidade com que consumimos recursos também atinge a química.
A capacidade de mineração e exploração de certos elementos químicos pode atingir um limite muito mais cedo do que normalmente imaginamos.
Tecnologias, como por exemplo, dos monitores e televisões de LCD causaram um aumento da demanda pelo elemento Índio. Algumas fontes indicam que as atuais reservas de índio só garantiriam apenas 13 anos de consumo; e pior, se o mundo todo aumentar o consumo para metade da demanda existente nos EUA, o esgotamento seria atingido em apenas 4 anos!

É importante lembrar que nenhum elemento químico simplesmente some; o problema reside na facilidade de extração e mineração dos elementos. Quanto mais difícil é a obtenção, mais custos estarão envolvidos no processo.

As soluções são óbvias: aumentar a taxa de reciclagem, diminuir o consumo de matérias-primas estratégicas, substituição por elementos mais abundantes na natureza, etc. Mas será que conseguiremos atingir estas metas satisfatoriamente?

A revista Scientific American New Scientist fez um infográfico com dados para diversos elementos e suas expectativas de duração de reservas.
http://www.newscientist.com/data/images/archive/2605/26051202.jpg