Telescópio de poeira lunar

Flickr créditos  Rhys Jones Photography
Construir um telescópio gigante na superfície luna tem sindo um antigo sonho para os astrônomos. Um telescópio lunar com o mesmo tamanho do Hubble (2,4 metros de diâmetro) seria uma ferramenta fenomenal para a astronomia. Já um do mesmo tamanho do maior telescópio terrestre (10,4 metros de diâmetro) seria muito mais eficiente porque na Lua a atmosfera é bem menos densa e não existiria o problema de distorção óptica. Mas como seria possível construir na Lua um objeto que provavelmente teria mais de 50 metros?
Este sonho e desafio foi encarado pelo astrofísico da Nasa, Peter C. Chen, que propos a interessante idéia de se utilizar poeira lunar como um dos materiais de construção deste espelho lunar gigante. Esta tática seria mais barata, pois minimizaria a necessidade de transporte de grandes quantidades de material da Terra até a Lua.
Chen testou a possibilidade de se utilizar um compósito misturando epóxi, nanotubos de carbono e poeira lunar. Os compósitos normalmente apresentam propriedades interessantes para estes casos, como a combinação entre leveza e grande resistência. Um compósito bem conhecido é a mistura de fibra de carbono com epóxi, utilizada na estrutura de algumas bicicletas de competição.
Para testar as propriedades deste compósito lunar, Peter Chen misturou em seu laboratório a epóxi, uma pequena quantidade de nanotubos de carbono e uma mistura que simula a composição da poeira lunar. O resultado foi um material duro, denso e forte como concreto.
Entusiasmado com o resultado inicial, Chen resolveu testar a construção de um espelho utilizando a conhecida técnica de rotação da mistura. Ele derramou a mistura em uma forma (de 30 cm de diãmetro) e submeteu o conjunto a uma rotação constande até o bloco solidificar. Essa rotação garante que a peça adquira a desejada forma parabólica. Depois de endurecida a peça foi inserida em uma câmara de vácuo para depositar uma fina camada de alumínio e obter uma superfície espelhada.
Os nanotubos de carbono tornam o compósito condutor, essa condutividade pode garantir um rápido equilíbrio térmico em todo o espelho e também possibilita que seja possível aplicar uma corrente elétrica em eletrodos anexos ao espelho para corrigir eventuais deformações.
Chen calculou que para construir um espelho do mesmo tamanho do Hubble seria necessário levar para a Lua cerca de 60kg de epóxi, 1,3kg de nanotubos e 1g de alumínio, completando a mistura com 600kg de poeira lunar.
Até este ponto a idéia parece simples, mas as dificuldades começam quando se lembra que é necessário também transportar até a Lua a forma, os aparatos de mistura e de deposição da camada de alumínio, além de ter a dificuldade de se eliminar a contaminação da própria poeira lunar sobre a superfície espelhada.
A idéia de criar compósitos aproveitando a poeira lunar também pode ser expandida para a construção de blocos de estruturas em futuras bases lunares.

Fonte
http://science1.nasa.gov/science-news/science-at-nasa/2008/09jul_moonscope/

O texto também está disponível em audio (MP3 em inglês)
http://science1.nasa.gov/media/medialibrary/2008/07/09/09jul_moonscope_resources/story.mp3

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Todo dia com a química – TV Cultura

captura da tela
Estréia na TV Cultura, na próxima segunda-feira (dia 14) um programa que explica a química de forma lúdica.
O programa é idealizado pela Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), contando com patrocínio cultural de Basf, Carbocloro, Clariant, Quattor, Solvay e Dacarto Benvic.
Com inserção de 24 desenhos animados, com 30 segundos cada um, o programa tem o objetivo de mostrar que a química está presente em tudo.
Para mais informações visite o site do projeto
[atualização em junho de 2015: o site não existe mais :-(]

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Podcast da Nature – Química

Podcast da Nature

A revista Nature publica bimestralmente um podcast (arquivo de áudio) sobre química.
A edição de maio/junho está disponível, e tem como tema principal a nanotecnologia.

Um grupo do MIT relata sobre como desenvolveram técnicas para inserir nanopartículas em células.

Também está em debate a possibilidade dos nanotubos de carbono apresentarem riscos à saúde.

http://www.nature.com/chemistry/podcast/mp3/chemistry-2008-06-25.mp3

Acesse os podcasts anteriores em
http://www.nature.com/chemistry/podcast.html

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Origami de um fulereno

mãos manipulando o origami
Fulerenos são estruturas compostas por carbono organizadas em um formato esférico.
A estrutura é muito parecida com uma bola de futebol, e por isso alguns chamam de futeboleno, ou então denominam como buckminsterfullereno em homenagem ao arquiteto Buckminster Fuller que projetou um domo de forma semelhante.
Alguém com tempo e paciência resolveu compor um fulereno utilizando vários origamis que se encaixam.
É muito difícil reconhecer a ´receita´ das dobras no vídeo, o movimento das mãos é muito rápido.

Leia também
Uma vida bem documentada

Via CENtral

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Termodinâmica das brisas

mapa simples
A Segunda Lei da Termodinâmica aparece claramente em um interessante artigo sobre meteorologia publicado recentemente na Revista Brasileira de Meteorologia.
Os autores, Clênia Rodrigues Alcântara e Enio Pereira de Souza, tinham como objetivo entender a teoria termodinâmica em brisas marítimas-terrestres acopladas com brisas de vale-montanha por meio de simulações em uma região da costa leste do Nordeste Brasileiro, considerando a presença e ausência de topografia.

Uma teoria termodinâmica para brisas: teste utilizando simulações numéricas (DOI:10.1590/S0102-77862008000100001)

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Realizando experimentos em casa

Robert Bruce Thompson, autor do livro Illustrated Guide to Home Chemistry Experiments, fala sobre abandonar os kits de química, e utilizar o que se tem em uma casa para realizar experimentos de química.
Ainda mais que atualmente é difícil achar um kit de química para qualquer um comprar.

.

Veja mais sobre isso em
http://www.gluon.com.br/blog/2007/10/03/kit-quimica-perigo/

O livro ensina diversas técnicas, tais como: purificar álcool por destilação, produzir hidrogênio por eletrólise, fazer investigação de impressões digitais e venenos, trabalhar com colóides e suspensões, etc.

Você encontra o livro na Amazon
http://www.amazon.com/Illustrated-Guide-Home-Chemistry-Experiments/dp/0596514921

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.