A vodka e a química

professor martyn com garrafas de vodka em volta
O desafio para falar sobre a relação da Vodka com a química é fácil! Pelo menos é o que acha o Professor Sir Martyn Poliakoff.

Martyn conta que em algumas partes da Rússia Dmitri Mendeleiev é mais famoso pelo seu envolvimento na padronização da quantidade de álcool na vodka do que pela ‘paternidade’ da tabela periódica.

A vodka também fez parte de um estudo publicado por Sasha Novitskiy, um dos integrantes da equipe de pesquisa de Martyn, que demonstrou as semelhanças entre o comportamento físico-químico da vodka quando comparado com misturas de álcool e água.

Vídeo com legendas em português. Ative as legendas pelo botão CC que aparecerá no vídeo.

Veja também
– Química do gin e tônica

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

E beba com moderação.

Lata de refrigerante em nitrogênio líquido

coca cola em nitrogênio líquido
Bolsistas e novatos no trabalho em um laboratório de pesquisa científica tem o péssimo hábito de achar uma ‘boa ideia’ o uso de nitrogênio líquido para tentar gelar uma lata com refrigerante ou cerveja.

O nitrogênio líquido está em uma temperatura normalmente abaixo de -196°C! E os jênios acham que isso seria uma boa forma de gelar rapidamente uma lata de refrigerante. Não é!

O nitrogênio causará um resfriamento muito rápido da água presente no líquido dentro da lata, resultando em uma expansão do gelo e consequente rompimento do alumínio da lata. O efeito pode ser tão forte a ponto de explodir e danificar o frasco que contém o nitrogênio líquido. Prejuízo na certa.

A equipe do Periodic Videos demonstrou o que acontece com latas de Coca Cola e uma garrafa PET de Pepsi. O Professor Sir Martyn Poliakoff também explica também sobre o CO2 sólido e as peculiares propriedades do gelo quando resfriados em nitrogênio.

E uma curiosidade! O Professor Sir Martyn Poliakoff diz que NUNCA experimentou Coca Cola ou Pepsi! Deve ser uma raridade. Mas posso garantir que o Professor Martyn já experimentou guaraná! Eu sei disso porque ofereci um pouco de guaraná quando ele veio visitar o Brasil em 2011. Ele não gostou e disse que era muito doce! 🙂

O vídeo possui legendas em português. Ative pelo botão CC que aparecerá no vídeo.

Veja também
– Por que o gelo racha na água?
– Latas de alumínio em ácido e base

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Carne de galinha em ácido fluorídrico

professor e coxa de galinha
Após dissolver o vidro de uma lâmpada incandescente, a equipe do Periodic Videos testa agora o poder do ácido fluorídrico em um pedaço de coxa de galinha.

A demonstração foi feita com a comparação do que poderia acontecer com a coxa de galinha quando colocada em ácido fluorídrico, em ácido clorídrico e ácido sulfúrico. Esta foi uma escolha proposital para se verificar se o efeito é devido ao H+ presente em todos os ácidos ou ao flúor presente no ácido fluorídrico.

Mais uma vez Neil, o técnico do laboratório, precisou usar uma série de equipamentos de proteção para manipular este temido ácido.

Não vou estragar a surpresa contando os resultados, mas posso adiantar que a aparência da coxa de galinha não ficou nada apetitosa após a imersão em ácidos.

Veja o resultado no vídeo abaixo, que possui legendas em português. Ative as legendas no botão CC que aparece no vídeo.

E assista também as conclusões do experimento com a demonstração do processo de neutralização dos ácidos em meio alcalino.

E o tradicional bônus de uma citação ao Breaking Bad

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Espectroscópio particular de Raman

senhor usando espectroscopio de raman
Professor Sir Martyn Poliakoff, da Universidade de Nottingham, mostra o espectroscópio particular do famoso cientista indiano Chandrasekhara Venkata Raman.
Raman – melhor chamar de Raman, porque poucos conseguem lembrar ou pronunciar Chandrasekhara Venkata – é conhecido por uma técnica de análise muito utilizada na química; a espectroscopia Raman.

O espectroscópio é uma versão de bolso que Raman usava para observar casualmente materiais que encontrava no seu cotidiano.

A espectroscopia de Raman é um método de análise de materiais que permite obter informações químicas sem necessitar efetuar uma destruição da amostra.

Vídeo com legendas em português. Use o botão CC que aparecerá no vídeo para selecionar a opção de legenda em português.

Texto escrito por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle.

Moléculas essenciais para a vida em meteoritos

fragmentos do meteorito
Fragmentos do meteorito Sutter’s Mill

Análises de fragmentos do meteorito batizado de ‘Sutter’s Mill‘, que iluminou o céu da Califórnia (EUA) no dia 24 de abril de 2012, foram realizadas e nestas os pesquisadores descobriram que moléculas orgânicas essenciais para a vida estavam presentes no material deste meteorito.
Meteoritos são fragmentos de planetas, poeira cósmica, asteroides… variam de tamanho e conseguem resistir à entrada na atmosfera terrestre, atingindo o solo. Alguns tipos de meteoritos, classificados como condritos carbonáceos, compostos orgânicos, inclusive do mesmo tipo de substâncias encontradas na Terra.
As hipóteses feitas até hoje sustentam normalmente que a origem da vida é baseada em evidências de que ela teria surgido em uma espécie de uma sopa “prebiótica” (que conteria elementos e compostos como: carbono (C), hidrogênio (H), potássio (K), amônia (NH3), nitrogênio (N2), magnésio (Mg) e água (H20)), sendo uma parte desses talvez trazidos por meteoritos.
Para Sandra Pizzarello, bioquímica e chefe de estudos da Universidade Federal do Arizona, em Tempe, comenta que “A sua composição sempre foi vista como uma indicação de que os precursores da evolução que levou às origens da vida poderiam ter vindo de material extraterrestre carregado em meteoritos”.
Pizzarello e seus colegas analisaram dois fragmentos do meteorito Sutter’s Mill, dissolvendo-os com solvente, e viram que aparentemente possuía poucos compostos orgânicos dissolvíveis comparando-o com outros meteoritos similares.

Alguns dos compostos encontrados no meteorito
estruturas moleculares de substâncias em meteorito

“Voce poderia dizer que isso foi uma decepção”, disse Pizzarello.
Contudo, os pesquisadores dissolveram fragmentos do meteorito em outras condições que imitam as fontes hidrotermais da Terra, que era o ambiente primórdio da Terra, o qual poderia ter surgido a vida. Através destes aspectos, foi visto que nessas condições um tanto diferentes os fragmentos liberaram moléculas orgânicas que não haviam sido detectadas em meteoritos similares. O estudo comprovou que há muito mais material orgânico disponível nos meteoritos do que os cientistas pensavam.
“o que pode ser bom para um propósito, porque eles podem atuar como cápsulas rudimentares que conteriam compostos úteis na evolução prebiótica,” comentou Pizzarello.

Artigo original sobre o meteorito:
Processing of meteoritic organic materials as a possible analog of early molecular evolution in planetary environments
Sandra Pizzarello, 15614–15619, doi: 10.1073/pnas.1309113110

Texto escrito por Bruna Lauermann.

Lâmpada em ácido fluorídrico

equipamento de proteção e alertas
O ácido fluorídrico (HF) é um dos ácidos mais temidos entre os químicos. Não propriamente pelo seu potencial de acidez, mas pela agressividade do flúor quando em contato com o corpo humano.
Uma pequena exposição pode até causar um ataque do coração. Além disso o ácido pode chegar ao osso e reagir com o cálcio. A dor é descrita como extrema e em um eventual acidente pode aparecer de 1 a até 24 horas após o contato.

Neil, o técnico de laboratório da Universidade de Nottingham, é a pessoa certa para demonstrar a potência desse ácido. Usando equipamentos de proteção e bem resguardado por um exaustor de vapores corrosivos, o técnico coloca uma lâmpada incandescente (ligada) dentro do ácido. A escolha da lâmpada é algo proposital, já que o HF consegue reagir com o vidro!

Veja o resultado do experimento no vídeo abaixo.
O vídeo possui legendas em português. Ative as legendas clicando no botão CC que aparece no vídeo.

Uma dúvida que pode surgir é que: “Se o ácido fluorídrico reage com vidro, como ele é guardado?!”. A resposta é simples. É possível guardar o ácido em um frasco plástico (polietileno*), pois o HF não ataca esse tipo de material.

Em breve mais vídeo sobre o HF!

Para os que lembraram da série Breaking Bad, indico o vídeo…

Mais?!
Tecido em ácido sulfúrico concentrado
Cheeseburger em ácido clorídrico

*Consulte um especialista e setor de segurança para verificar as especificações adequadas dos frascos para armazenamento do ácido fluorídrico.