Category: Vídeos

Criando uma bola de fogo

cientista protegido para realizar experimento
Este é um daqueles experimentos que é melhor ver apenas em vídeo. A demonstração existe justamente para que você não precise repetir – e para que tenha muito cuidado na cozinha!

A equipe do canal “The Royal Institution” mostra como uma pequena quantidade de água pode causar uma grande bola de fogo se deixada cair em um recipiente cheio de óleo (azeite) quente.

Isso acontece porque o óleo consegue ficar em uma temperatura bem mais alta do que a temperatura de ebulição da água (em 100 °C). Então uma pequena quantidade de água gera rapidamente uma grande quantidade de vapor e espalha gotículas de óleo por todo lado. Essas pequenas gotículas de óleo quente queimam facilmente quando encontram uma chama.

Em caso de incêndio em óleo quente a melhor forma de apagar é tentar abafar usando a tampa da panela por exemplo.

Vídeo com legenda em português. Veja como ativar a exibição da legenda, clique aqui.

Para reavivar a sua memória… o telefone dos bombeiros é o 193.

Texto e legenda escritos por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle (luisbrudna@gmail.com).

Extração do ácido cítrico de limões

frascos de reagentes e pilha de limões
No vídeo abaixo, do canal NileRed, é possível ver o processo de extração do ácido cítrico de aproximadamente 450 mL de suco de limão.

estrutura química do ácido cítrico

O ácido cítrico tem aplicação na indústria alimentícia para dar sabor ácido aos alimentos e no controle do pH, também pode ser usado como agente quelante, e além disso encontra espaço na fabricação de medicamentos.

No vídeo é possível ver os reagentes utilizados, as reações que ocorrem, a rota de extração, e a purificação do ácido cítrico presente no suco de limões. E pelos cálculos foi possível obter um rendimento de aproximadamente 83% – um bom valor se considerarmos a simplicidade do procedimento.

Vídeo com legenda em português. Veja como ativar a exibição.

O NileRed alerta que o ácido cítrico industrial normalmente não é produzido por extração de frutas cítricas, e que um método mais eficiente é pelo uso de fungos (por exemplo, Aspergillus niger).

O ácido cítrico não deve ser confundido com o ácido ascórbico (vitamina C); são duas substâncias diferentes.

Texto e legenda escritos por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ).

Minerando diamantes na estrada

diamantes amarelos misturados com areia
Cody Don Reeder, do canal Cody’s Lab, resolveu testar se conseguia recuperar algum diamante em uma estrada próxima na qual operários haviam realizado um procedimento de corte.

Várias ferramentas de corte possuem uma fina camada de microscópios diamantes para elevar a dureza e resistência do material. E durante o uso aos poucos esses diamantes vão sendo perdidos.

Cody utilizou uma bateia, do mesmo tipo usado em mineração de ouro, para facilitar a separação do diamante dos detritos coletados na estrada. Os resíduos metálicos foram então dissolvidos usando ácido muriático – que não afeta os diamantes.

Com uma lupa e microscópio foi então possível visualizar os diamantes amarelos – que tem essa cor por serem sintetizados industrialmente.

Certamente não vale a pena financeiramente a busca por esse tipo de diamante, e Cody fez apenas como uma demonstração e curiosidade.

Vídeo com legendas em português. Ative a exibição pelo YouTube.

Texto e legendas escritos por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ).

O que é a Lei Zero da Termodinâmica?

imagem térmicas de copos com água
O vídeo abaixo, do canal da The Royal Society, fala sobre a importância e os fundamentos da Lei Zero da Termodinâmica.

Resumidamente, esta lei trata sobre o equilíbrio térmico, e constata que se dois sistemas termodinâmicos estão em equilíbrio com um terceiro sistema, então necessariamente estarão em equilíbrio entre si. Isto pode ser então visto a base da termometria.

Em termos históricos a primeira, segunda e terceira leis da termodinâmica foram constatadas antes da Lei Zero; que acabou recebendo este nome por ser considerada ainda mais fundamental.

Vídeo com legenda em português. Veja aqui como visualizar.

Texto e legenda escritos por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ).

Dica de artigo:
REDLICH, Otto. So-called zeroth law of thermodynamics. J. Chem. Educ, v. 47, n. 11, p. 740, 1970.

Síntese de fluoresceína

adição de líquido em balão reacional
O canal NileRed mostra no vídeo abaixo como realizar a síntese de fluoresceína. É possível também obter a fluoresceína pela extração do material existente em algumas canetas marca-texto.

anidrido ftálico resorcinol e fluoresceína

Para esta síntese foram usados anidrido ftálico e resorcinol; com a adição de algumas gotas de ácido sulfúrico concentrado para catalisar o processo. O aquecimento da mistura até próximo de 200 °C já é o suficiente para iniciar a reação – com a visível produção de uma cor vermelha intensa; indicando a formação de fluoresceína.

O passo seguinte é isolar e purificar a fluoresceína resultante. A fluoresceína foi separada pela adição de éter etílico e água. Os passos desta lavagem são mais facilmente realizados em um funil de separação, com objetivo de remover o ácido sulfúrico e o resorcinol que não reagiu. Na fração contendo fluoresceína e éter etílico foi então adicionada uma porção de peneira molecular para remover qualquer água que tenha permanecido nesta fase. O éter foi posteriormente extraído e recuperado por destilação.

Do processo de purificação sobra um produto sólido com cor vermelho escura que passa para a característica cor esverdeada ao ser adicionado em água contendo um pouco de hidróxido de sódio.

No vídeo abaixo estão todos os detalhes das quantidades de reagentes, do procedimento de reação e purificação, algumas considerações sobre o mecanismo de reação, e demonstrações do intenso brilho da fluoresceína quando iluminada sob luz normal e sob luz ultravioleta.

Vídeo com legenda em português. Ative a legenda nas configurações do vídeo.

Texto e legenda escritos por Prof. Dr. Luís Roberto Brudna Holzle ( luisbrudna@gmail.com ).

Ácidos versus alguma coisa

título do canal em ácido
É comum ter aquela curiosidade de saber o que acontece quando colocamos alguma coisa em um ácido concentrado. Raramente é possível satisfazer essa curiosidade – ácidos são relativamente caros e o manuseio deve ser cuidadoso; provavelmente o desperdício do reagente não será bem visto.

Graças à diversidade do YouTube temos um canal inteiro com vídeos de diversos materiais em ácido sulfúrico ou ácido clorídrico.

Camiseta em ácido sulfúrico concentrado

Veja também um pedaço de tecido no mesmo ácido.

Parafuso em ácido clorídrico (33%)

Uma coletânea [aviso: algumas imagens podem ser desagradáveis]

Em alguns vídeos a miniatura (thumbnail) está com a descrição de ‘ácido estomacal’ (stomach acid) mas o experimento foi realizado com ácido clorídrico concentrado. O ácido estomacal tem uma concentração relativamente baixa de HCl, sendo em torno de 0,1 mol.L-1 a 0,05 mol.L-1; enquanto que o utilizado no vídeo é em torno de 10 mol.L-1.

Veja o canal em
AcidTube – Chemical reactions
https://www.youtube.com/channel/UCOTLH-av2Ge9o1jUVBnKPqw

Quer mais?
O poder da solução piranha